Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Diários de Escrita

A Importância de Viajar

Desde os primórdios da Humanidade, os Humanos sempre sentiram necessidade de viajar, e, hoje em dia, continua a ser dos hábitos mais regularmente praticados.

As viagens são importantes em termos de lazer, já que, na grande maioria das viagens, deixa-se um pouco de parte a vida profissional e tira-se um tempo para estar connosco ou com os que gostamos, o que se reveste de muita importância.

Viajar, a nível particular e/ou familiar, também é importante em termos de turismo, dado que este é um dos maiores mercados atuais e, ao viajar, estamos a apoiá-lo. O turismo é tão importante que foi feito um estudo a revelar que sem este enorme mercado o mundo não estaria nada similar ao atual em termos de desenvolvimento.

Por outro lado, viajar também pode ter consequências pejorativas, visto que ao juntar pessoas de diferentes etnias e países, aumenta o risco de xenofobia e racismo. Há inúmeros relatos de indivíduos que eram de uma determinada etnia, emigraram ou viajaram temporariamente para outro país, e foram muito julgados e criticados a nível social. Não obstante, são muitos os que defendem as mais valias das trocas culturais e do mundo globalizado... Afinal de contas, a tolerância e a aceitação só se desenvolvem em contacto com as diferenças.

Em jeito de conclusão, viajar é fulcral para o desenvolvimento de cada indivíduo e, consequentemente, para cada sociedade, que se reflete tanto aos níveis de bem-estar pessoal, como social, económico e até político.

Marcos Torres nº16 8ºB

Diários de Escrita

Sonhar é Voar

Desde sempre que o sonho é o que nos faz evoluir, crescer e aprender. Sem sonhar, o Homem continuaria a ser apenas uma espécie como outra qualquer. Desde o primeiro humano até à nossa geração que sonhar é voar.

Por um lado, como eu já referi previamente, o sonho é o que nos faz desenvolver, evoluir, aprender, ...enfim, viver. Sonhar é tão ou mais importante do que beber ou dormir. Foi o sonho que fez com que o Homem chegasse à Lua, conseguisse criar o atual sistema de saúde, a televisão, a lâmpada, a Internet...Todas as coisas alcançadas foram conseguidas através do sonho.

Por outro lado, também pode ser mau sonhar alto de mais, por isso, ao sonhar, deve-se ter em conta a realidade e não criar expectativas desumanas e desmedidas. Muitas desilusões foram criadas com base em sonhos não alcançados e algumas deram origem, em casos extremos, a grandes frustrações.

Em suma, o sonho é, foi, e sempre será, o mais importante na vida. Porém, deve-se ter em conta a ambição ... Tudo o que é em demasia, até o importante, não é bom!

Marcos Torres nº16 8ºB

Diários de Escrita

Açores

    Açores, o arquipélago que eu tive o enorme prazer de conhecer quando era criança. Todas as suas ilhas são repletas de paisagens lindas e de tirar o fôlego.

    Eu conheci todas as ilhas, mas as que mais me marcaram foram o Pico e São Miguel. De entre as paisagens lindíssimas, os locais que ficaram, e ficarão, gravados na minha memória fotográfica são as piscinas naturais presentes em algumas das ilhas deste arquipélago, bem como a fauna e a flora destes locais, diria quase paradisíacos.

Na escuridão da noite, pude ver com maior clareza as estrelas, o que também me impressionou, uma vez que, no continente, nunca tive a oportunidade de observar estes corpos celestes com tanta atenção.

    Não posso esquecer a visita às grutas do Pico, passagem obrigatória para quem vai à ilha e da qual guardo boas recordações. Foi como uma descida ao centro da terra!

    Apesar de esta viagem me ter marcado, muito positivamente, tenho pena de já não me lembrar de muitas coisas, por isso espero um dia lá voltar.

Rita Miranda, nº17,  8ºB

 

O Lugar da Poesia

O por do Sol

Quando o Sol se põe

Nasce um amor incondicional

Amor que aumenta

No coração de quem não te quer mal.

 

Certo dia ao por do Sol

Dois pombinhos no areal

O tempo anda como um caracol

Vê-se que o amor é real.

 

Juntinhos a namorar

Com as ondas a enrolar

As palmeiras a sombra fazer

A luz a desaparecer.

Ana Beatriz Torres de Sousa, nº1, 8ºB

Diários de Escrita

O meu Porto!

O Porto é e sempre foi o meu “lugar” favorito desde que me lembro. É uma cidade que me deixa fascinada sempre que lá vou.

De uma maneira talvez até estranha, penso que me consigo lembrar todos os dias de tudo o que já fiz lá, de todas as pessoas que já pude e tive a sorte de conhecer e até das inúmeras vezes que volto para casa com a lágrima no canto do olho.

Costumo dizer que é algo que não consigo explicar, apenas sentir. E a realidade é mesmo essa: eu tenho a certeza que nunca vou trocar o Porto por nada e tenho esperança de um dia poder ir para lá ficar.

Porquê, perguntam vocês? Como e porque é que o Porto é o que é para mim?

Desde sempre que, de todos os destinos “de passeio” aos domingos, a cidade do Porto esteve no meu “top”; aliás, no meu e no de toda a família!

Quase que posso afirmar que já era uma rotina admirar os sunset , passar horas em frente à tão deslumbrante ribeira só para ver todos aqueles rapazes a saltar de cima da ponte D.Luís; permanecer tardes infindáveis na frontline dos concertos que os Dama davam.

Por todas essas horas e fins de tarde memoráveis que vivi no Porto, só posso estar eternamente grata por conhecer esta cidade e por poder recordar para sempre estes dias felizes com todo o pormenor!

Ana Pedro Simões, nº4, 8ºB

Diários de Escrita

O Gato das Botas - Conto reinventado

      Era uma vez um homem muito rico, que, quando morreu deixou o seguinte testamento: ao filho mais velho deixou a sua mansão, ao do meio, um Porsche e ao mais novo, um chapéu, um par de botas e um colete. O filho mais novo questionou-me porque é que os outros irmãos tinham coisas espetaculares enquanto ele tinha apenas três coisas que, segundo ele, não serviriam para nada.

      Passaram-se anos e, entretanto, todos tiveram filhos. O filho mais novo morreu, sem utilizar uma única vez os pertences que o pai lhe tinha deixado. Estes ficaram guardados no sótão, num baú, até ao dia em que o filho, após a morte do pai, resolveu arrumar a casa, encontrou o baú e decidiu experimentar os objetos. Assim que os vestiu, transformou-se, de imediato, num gato. Gostou tanto da sua nova aparência que não se deu ao trabalho de perceber como voltaria a tornar-se humano.

     Passados dias a vaguear pelos telhados, a apanhar ratos e a caçar pássaros – tivera de alterar o seu regime alimentar, o que lhe custou bastante -, o gato viu um anúncio na televisão sobre a abertura de vagas para um filme em Hollywood e quis logo participar.

Compareceu no local, à hora marcada para o casting e, após deliberação do júri, foi sagrado vencedor, por unanimidade. De facto, nunca ninguém vira, até aquela data, um gato falante.

No dia seguinte, começaram as filmagens. Estava tudo a correr bem, até que descobriu um aquário com peixes e não resistiu. O diretor das filmagens ficou muito furioso porque ele tinha estragado o cenário, e queria expulsá-lo, mas decidiu dar-lhe mais uma oportunidade.

      Passaram mais alguns dias de filmagens e o guião previa uma cena em que o gato tinha de tirar a roupa, ou seja, despir-se dos pertences do pai. Logo que isso aconteceu, o felino voltou a transformar-se em humano. Então, apercebeu-se que ainda estava no sótão, junto ao baú – apenas tinham passado duas horas, pois enquanto era gato, o tempo parava.

      Depois desta descoberta, ele regressava ao sótão e vestia estes pertences, sempre que queria viver experiências fora do comum.

Ana Sousa nº1 e Carolina Vale nº7, 8ºB

 

Diários de Escrita

Os avós

Na minha opinião, hoje em dia os avós podem ser perfeitamente integrados na sociedade.

Em primeiro lugar, os avós são pessoa que merecem todo o nosso carinho e não é por serem mais velhos que os devemos esquecer. De facto, quer estejam reformados ou não, podem ser muito úteis para a sociedade.

Por um lado, se estiverem reformados, têm muito tempo para eles e para os outros: tempo para passear, para estar com os amigos e até para ajudar ou fazer favores a familiares e amigos. Mas eles também ainda podem trabalhar, ocupando, deste modo, um pouco mais do seu tempo.

Por outro lado, podem continuar a aprender, uma vez que existem hoje em dia as universidades seniores que promovem uma aprendizagem na terceira idade e que permitem a integração destes na sociedade, transmitindo ou atualizando saberes e conhecimentos em áreas que, à partida não teriam, como por exemplo, a informática que os aproxima de gerações mais novas. Por exemplo, esse conhecimento de informática pode levá-los às redes sociais e promove o contato com antigos colegas, com pessoas novas ou ainda com familiares distantes.

Em conclusão, os avós podem, portanto, estar bem inseridos na sociedade e acompanhar as mudanças dos tempos atuais.

Rita Miranda, nº17, 8ºB

Semana da Leitura "Carta a Um Escritor"

220px-John_Rawls.jpg

Foto: Wikipedia

“Carta a um Filósofo” (…na semana da leitura)

Exmo. Sr. John Rawls,

Esta carta, muito provavelmente, nunca lhe chegará às mãos - o Sr. faleceu em 2002-, mas sinto uma necessidade enorme de lhe relatar como a sua “Teoria da Justiça” me deixou a pensar nas aulas de Filosofia.

A verdade é que o Mundo onde vivemos é tudo, menos justo!

Vivemos num Mundo onde o infanticídio, o tráfico de órgãos, a pedofilia, a corrupção e todo o tipo de crime acontece e poucos são os infratores que saem punidos pelos atos horrendos que cometem. Há uma enorme distância entre os ricos e pobres deste planeta, apesar dos grandes partidos em todo o mundo, preconizarem medidas para acabar com esse fosso cada vez maior.

Em “Uma Teoria da Justiça”,  obra publicada no ano de 1971, V. Exa propôs repensar a distribuição da riqueza, para garantir que os políticos forneçam princípios para uma justiça equitativa. Nesse livro o Sr. coloca os indivíduos sob o que chama véu da ignorância, característica essencial que todos, nessa circunstância, possuem. O que o Sr. quer dizer é que, sob o véu da ignorância os indivíduos não tem informação alguma sobre a sua riqueza, cor,  sexo, suas capacidades biológicas ou mentais, sob a situação em que vão nascer, ou a religião e preferenciais morais que vão possuir, etc. Sendo assim, os indivíduos não escolheriam princípios de modo parcial, que favorecessem apenas os seus interesses individuais.

Foi isto que me pôs a pensar que a sua teoria poderia mudar o mundo. No entanto, após muito refletir sobre ela, apercebi-me que o mundo não quer mudar, que os homens querem que o fosso que em cima falei continue. Porquê? A verdade, na minha opinião, é que o homem não está preparado para aceitar um mundo justo e equitativo e a sua “Teoria da Justiça” é um bilhete sem retorno para a equidade.

Muito obrigada, John Rawls por me ajudar a compreender que é possível enfrentar os “podres” deste mundo e mudar para melhor se lutarmos por isso.

Bom descanso eterno,

Ângela Fonseca (10º B da Escola Secundária de Barcelinhos)

Semana da Leitura 2020 - 10' a LER+

IMG_1848.JPG

Alunos das turmas do 10º A e 12º B percorreram as salas de aula e, ao longo de 10 minutos, partilharam com os colegas e professores poemas de vários autores e poemas originais. 

A sala de professores não foi esquecida e o café teve outro sabor,  "café com poesia"!

 

Semana da Leitura 2020 "Da Escrita à Leitura"

IMG_1870.JPG

Alunos do 8º B deram voz aos  textos, produzidos em sala de aula, na sessão de  leitura de poemas originais criados em sala de aula, após observação de quadros/imagens.