Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Personalidades Ilustres da Nossa Terra - Barcelinhos

GUSTAVE EIFFEL

Alexandre Gustave Eiffel foi um ilustre engenheiro francês. Nasceu no dia 15 de dezembro em 1832, em Dijon (Côte – d´Azur) e faleceu no dia 27 de dezembro corria o ano de 1923. Teve uma vida longa (faleceu com 91 anos) e muito preenchida. Gustave Eiffel foi o responsável por projetos de grande envergadura como a Estátua da Liberdade, oferecida pelo Estado francês aos EUA e da Torre Eiffel de Paris. A fortuna paterna permitiu-lhe frequentar a Ecole Centrale des Arts et Manufactures onde completa o curso de Engenharia Química. No entanto, desde cedo, por influência de um cunhado, dedica – se à metalurgia e ao novo material que vai usar de modo brilhante como construtor. Aos vinte e cinco anos é-lhe confiada a construção de uma grande ponte em Bordéus que lhe permite ganhar a experiência necessária para se lançar como empreendedor por conta própria. A empresa que funda em 1866 tem na Exposição Universal de Paris de 1867 a primeira grande obra: a estrutura metálica do Grand Palais.
A necessidade de maior disponibilidade de capital leva-o a associar-se ao rico engenheiro Téophile Seyrig. Esta sociedade só veio a ganhar verdadeiro impulso quando venceu o concurso para a construção de uma ponte ferroviária sobre o rio Douro no Porto- D. Maria Pia. Tratava-se de um vão até então nunca experimentado e tal foi o desempenho de Eiffel ao construir em menos de 2 anos a Ponte Maria Pia, que o seu nome se tornou imediatamente famoso, vindo a ser-lhe confiados outros projetos sempre de grandiosidade ímpar.
Aliás, serão os conhecimentos na área das pontes em ferro que o levarão a viver em Barcelinhos, freguesia do concelho de Barcelos, com o propósito de coordenar importantes obras, tais como a Ponte D. Maria Pia, no Porto, a ponte de Viana do Castelo, as Pontes ferroviárias do Pinhão e de Barcelos e a Ponte de Fão, entre outras. Julga-se que Gustave Eifflel teria sido responsável por 24 pontes em Portugal.
Retomando a presença deste ilustre engenheiro, devemos destacar a passagem por Barcelinhos, onde viveu entre 1875 e 1877, na atual residência paroquial. O local que o acolheu exibe orgulhosamente uma placa evocativa da sua passagem por terras de Barcelos.
Na fase final da sua vida dedicou-se à meteorologia e à aerodinâmica, publicando importantes estudos neste domínio.
Gustavo Eiffel morreu em 27 de dezembro de 1923 com 91 anos.

Personalidades Ilustres da Nossa Terra - Barcelinhos

GUSTAVE EIFFEL

Alexandre Gustave Eiffel foi um ilustre engenheiro francês. Nasceu no dia 15 de dezembro em 1832, em Dijon (Côte – d´Azur) e faleceu no dia 27 de dezembro corria o ano de 1923. Teve uma vida longa (faleceu com 91 anos) e muito preenchida. Gustave Eiffel foi o responsável por projetos de grande envergadura como a Estátua da Liberdade, oferecida pelo Estado francês aos EUA e da Torre Eiffel de Paris. A fortuna paterna permitiu-lhe frequentar a Ecole Centrale des Arts et Manufactures onde completa o curso de Engenharia Química. No entanto, desde cedo, por influência de um cunhado, dedica – se à metalurgia e ao novo material que vai usar de modo brilhante como construtor. Aos vinte e cinco anos é-lhe confiada a construção de uma grande ponte em Bordéus que lhe permite ganhar a experiência necessária para se lançar como empreendedor por conta própria. A empresa que funda em 1866 tem na Exposição Universal de Paris de 1867 a primeira grande obra: a estrutura metálica do Grand Palais.
A necessidade de maior disponibilidade de capital leva-o a associar-se ao rico engenheiro Téophile Seyrig. Esta sociedade só veio a ganhar verdadeiro impulso quando venceu o concurso para a construção de uma ponte ferroviária sobre o rio Douro no Porto- D. Maria Pia. Tratava-se de um vão até então nunca experimentado e tal foi o desempenho de Eiffel ao construir em menos de 2 anos a Ponte Maria Pia, que o seu nome se tornou imediatamente famoso, vindo a ser-lhe confiados outros projetos sempre de grandiosidade ímpar.
Aliás, serão os conhecimentos na área das pontes em ferro que o levarão a viver em Barcelinhos, freguesia do concelho de Barcelos, com o propósito de coordenar importantes obras, tais como a Ponte D. Maria Pia, no Porto, a ponte de Viana do Castelo, as Pontes ferroviárias do Pinhão e de Barcelos e a Ponte de Fão, entre outras. Julga-se que Gustave Eifflel teria sido responsável por 24 pontes em Portugal.
Retomando a presença deste ilustre engenheiro, devemos destacar a passagem por Barcelinhos, onde viveu entre 1875 e 1877, na atual residência paroquial. O local que o acolheu exibe orgulhosamente uma placa evocativa da sua passagem por terras de Barcelos.
Na fase final da sua vida dedicou-se à meteorologia e à aerodinâmica, publicando importantes estudos neste domínio.
Gustavo Eiffel morreu em 27 de dezembro de 1923 com 91 anos.

Personalidades Ilustres da Nossa Terra - Barcelinhos

António Miguel da Costa Almeida Ferraz

Nasceu a 3 de outubro de 1855, na Casa do Tanque, em Barcelinhos, onde sempre viveu, tendo falecido a 28 fevereiro de 1916.
Formou-se em Medicina pela Escola Médico Cirúrgica do Porto e foi médico-cirurgião em Barcelos, que exercia apenas por caridade junto dos mais desfavorecidos, a quem não só receitava, como ajudava discretamente na compra dos respetivos medicamentos. Foi Sócio do Instituto de Coimbra. Foi administrador do concelho de Barcelos e vereador e vice-presidente da Câmara Municipal de Barcelos desde 1899, sob a presidência do seu patrício e amigo devotado, Dr. José Júlio Vieira Ramos. É durante o seu mandato e, por sua iniciativa, que é reconstruído, em 1905, o belíssimo Pelourinho Gótico,
de que Barcelos se pode ainda hoje orgulhar e que se achava desmontado e com as  peças dispersas. Fez, igualmente, parte do grupo de barcelenses que muito pugnou para que o Paço dos Duques 

fosse conservado e restaurado. Foi Provedor da  Real Santa Casa da Misericórdia de 1899 a 1904 e secretário do Asilo do Menino Deus.
Durante os últimos vinte e dois anos da sua vida, investigou, dedicada e exaustivamente, o arquivo da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, o arquivo da Vereação da Câmara Municipal de Barcelos, antes do incêndio que destruiu parte desse importante espólio, e outros arquivos de várias instituições barcelenses, como os do Recolhimento do Menino Deus, o da Irmandade do Senhor da Cruz e o da Colegiada de Barcelos, a que juntou a consulta de arquivos particulares de Casas de Famílias Barcelenses.
 Escritor, historiador local e genealogista, deixou quase toda a sua obra inédita. Escreveu "Apontamentos para a História do Concelho de Barcelos", manuscrito em 10 volumes in folio; "Estudo histórico e genealógico de algumas famílias barcelenses", manuscrito in folio; "Notícias genealógicas", extrato de vários nobiliários, manuscrito in folio e "A Casa Manuelina do Largo José Novaes, em Barcelos", manuscrito in quarto ilustrado com fotografias. A sua obra foi redigida na sua tranquila Biblioteca da Casa do Tanque, no alto de Barcelinhos. Deixou ainda alguns trabalhos de genealogia e heráldica, bem como numerosos artigos dispersos por diversos periódicos locais, de que se destacam o Commercio de Barcellos, a Barcellos Revista e A Lágrima.”
A obra de António Ferraz impressiona pela vastidão dos temas que aborda, pela enorme quantidade de fontes que utiliza e pelo rigor com que as usa. O trabalho de investigação deu a conhecer a genealogia das famílias principais de Barcelos e dos seus mais notáveis homens bons.
A obra Apontamentos para a História de Barcelos é o maior trabalho que alguma vez se escreveu sobre Barcelos e que se encontrava desconhecido do grande público, por se ter conservado inédito desde a sua morte em 1916. Ao longo desses onze volumes, o Dr. António Ferraz, ao correr da pesquisa e da pena, foi tratando centenas de temas que ajudam a reconstruir a história de Barcelos, o seu património histórico, as suas tradições, os seus filhos mais ilustres, a sua vida cívica e cultural, desde o início da nacionalidade.
A Santa Casa da Misericórdia, a quem o Dr. António Ferraz devotou muita da sua dedicação, acolheu com grande entusiasmo os trabalhos de transcrição e publicação da obra Apontamentos para a História de Barcelos. A publicação foi dirigida pelo Padre Doutor António Júlio de Faria Limpo Trigueiros, ilustre barcelense dedicado à história de Barcelos. O projeto de publicação foi ainda enriquecido com a colaboração de José Eduardo Lopes Ferreira Lopes, cuja sensibilidade, refletida na lente de uma máquina fotográfica, revelou de forma surpreendente muitos vestígios do passado da cidade.
A edição Apontamentos para a História de Barcelos é uma importante fonte de trabalho para investigadores e uma obra enriquecedora para todos os cidadãos.

Personalidades Ilustres da Nossa Terra - Barcelinhos

António Miguel da Costa Almeida Ferraz

Nasceu a 3 de outubro de 1855, na Casa do Tanque, em Barcelinhos, onde sempre viveu, tendo falecido a 28 fevereiro de 1916.
Formou-se em Medicina pela Escola Médico Cirúrgica do Porto e foi médico-cirurgião em Barcelos, que exercia apenas por caridade junto dos mais desfavorecidos, a quem não só receitava, como ajudava discretamente na compra dos respetivos medicamentos. Foi Sócio do Instituto de Coimbra. Foi administrador do concelho de Barcelos e vereador e vice-presidente da Câmara Municipal de Barcelos desde 1899, sob a presidência do seu patrício e amigo devotado, Dr. José Júlio Vieira Ramos. É durante o seu mandato e, por sua iniciativa, que é reconstruído, em 1905, o belíssimo Pelourinho Gótico,
de que Barcelos se pode ainda hoje orgulhar e que se achava desmontado e com as  peças dispersas. Fez, igualmente, parte do grupo de barcelenses que muito pugnou para que o Paço dos Duques 

fosse conservado e restaurado. Foi Provedor da  Real Santa Casa da Misericórdia de 1899 a 1904 e secretário do Asilo do Menino Deus.
Durante os últimos vinte e dois anos da sua vida, investigou, dedicada e exaustivamente, o arquivo da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, o arquivo da Vereação da Câmara Municipal de Barcelos, antes do incêndio que destruiu parte desse importante espólio, e outros arquivos de várias instituições barcelenses, como os do Recolhimento do Menino Deus, o da Irmandade do Senhor da Cruz e o da Colegiada de Barcelos, a que juntou a consulta de arquivos particulares de Casas de Famílias Barcelenses.
 Escritor, historiador local e genealogista, deixou quase toda a sua obra inédita. Escreveu "Apontamentos para a História do Concelho de Barcelos", manuscrito em 10 volumes in folio; "Estudo histórico e genealógico de algumas famílias barcelenses", manuscrito in folio; "Notícias genealógicas", extrato de vários nobiliários, manuscrito in folio e "A Casa Manuelina do Largo José Novaes, em Barcelos", manuscrito in quarto ilustrado com fotografias. A sua obra foi redigida na sua tranquila Biblioteca da Casa do Tanque, no alto de Barcelinhos. Deixou ainda alguns trabalhos de genealogia e heráldica, bem como numerosos artigos dispersos por diversos periódicos locais, de que se destacam o Commercio de Barcellos, a Barcellos Revista e A Lágrima.”
A obra de António Ferraz impressiona pela vastidão dos temas que aborda, pela enorme quantidade de fontes que utiliza e pelo rigor com que as usa. O trabalho de investigação deu a conhecer a genealogia das famílias principais de Barcelos e dos seus mais notáveis homens bons.
A obra Apontamentos para a História de Barcelos é o maior trabalho que alguma vez se escreveu sobre Barcelos e que se encontrava desconhecido do grande público, por se ter conservado inédito desde a sua morte em 1916. Ao longo desses onze volumes, o Dr. António Ferraz, ao correr da pesquisa e da pena, foi tratando centenas de temas que ajudam a reconstruir a história de Barcelos, o seu património histórico, as suas tradições, os seus filhos mais ilustres, a sua vida cívica e cultural, desde o início da nacionalidade.
A Santa Casa da Misericórdia, a quem o Dr. António Ferraz devotou muita da sua dedicação, acolheu com grande entusiasmo os trabalhos de transcrição e publicação da obra Apontamentos para a História de Barcelos. A publicação foi dirigida pelo Padre Doutor António Júlio de Faria Limpo Trigueiros, ilustre barcelense dedicado à história de Barcelos. O projeto de publicação foi ainda enriquecido com a colaboração de José Eduardo Lopes Ferreira Lopes, cuja sensibilidade, refletida na lente de uma máquina fotográfica, revelou de forma surpreendente muitos vestígios do passado da cidade.
A edição Apontamentos para a História de Barcelos é uma importante fonte de trabalho para investigadores e uma obra enriquecedora para todos os cidadãos.