Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Diários de Escrita

A-Perola.jpg

O livro “ A Pérola ” conta-nos a história de uma pobre família mexicana, formada por Kino, um pescador, Juana, sua mulher, e Coyotito, o filho de ambos. Numa manhã que aparentava ser uma simples manhã, Coyotito foi picado no ombro por um escorpião. Sem saber o que fazer, Juana encostou os seus lábios sobre o ombro de Coyotito e sugou o veneno do corpo da criança. Sem certeza de que tinha resultado, Juana convenceu Kino a irem ao médico na cidade. No entanto, este decidiu que não os atenderia, pelo facto de serem pobres, não tendo dinheiro para pagar os tratamentos da criança. Frustrados com a atitude deste, decidiram ir para o mar na esperança de encontrarem uma pérola para pagar os tratamentos de Coyotito. Recolhendo todas as ostras, Kino, regressou à canoa, onde as abriu uma a uma. Na última ostra que lhe restava abrir estava escondida uma das maiores e mais belas pérolas: a Pérola do Mundo. No preciso mesmo momento em que Kino retira a pérola da ostra, o inchaço e a dor no ombro de Coyotito desapareceram. Rapidamente a notícia de que Kino tinha encontrado a pérola do Mundo se espalhou pela cidade. Com a Pérola em sua posse, Kino sonhava vendê-la e com o dinheiro casar-se-ia com Juana, colocaria Coyotito numa escola e compraria uma espingarda para poder defender-se.

Na manhã seguinte, deslocaram-se à Praia para junto dos Compradores de Pérolas, que lhe apresentaram um valor extremamente baixo pela pérola. Quando soube que Kino tinha em sua posse a Pérola do Mundo, o médico dirigiu-se à cabana, desculpando-se pelo facto de não ter atendido a criança durante a manhã. Apesar de a criança já estar bem, o médico afirmava que não, e dirigindo-se a Coyotito, deu-lhe um comprimido que supostamente o trataria. Tal não aconteceu e a criança ficou ainda pior. Perante a situação, Juana, achando que a Pérola estava amaldiçoada, sugeriu a Kino que se livrasse dela, mas este recusou. Então, Juana tentou livrar-se dela, mas não teve tempo, pois foi apanhada por Kino. Enquanto regressava à cabana, Kino foi agredido pelo homem que lhe tentava tirar a pérola e em sua defesa matou-o. Quando regressaram à cabana, repararam que tinha sido assaltada e que estava a arder. 

Para escapar à Polícia, decidiram fugir para as montanhas. Estavam a ser perseguidos por dois batedores e um homem a cavalo. Durante a noite, Kino matou-os, mas antes de morrer um dos homens lançou um tiro para o ar, atingindo Coyotito que se escondia com Juana numa cabana no topo da montanha. Depois da morte de Coyotito, Kino e Juana decidem regressar à cidade onde viviam. Kino decidiu devolver a pérola ao mar por a achar feia, cinzenta e ulcerada e por conseguir ver nela Coyotito estendido na Cabana com a parte superior da cabeça arrancada.

Ao longo deste livro são abordados vários temas nomeadamente a ganância do médico, o que se pode verificar quando ele se vira para o empregado perguntando “- Ele tem dinheiro?- perguntou o médico – Não, eles nunca têm dinheiro. Eles acham que eu, apenas eu, tenho de trabalhar de graça…e eu estou farto disso. Vai ver se ele traz dinheiro!” (livro página 15). Verificamos também a presença de racismo quando o médico diz: “ – E eu não tenho mais nada que fazer senão curar picadas de insetos dos «pobres índios»? Eu sou médico não sou veterinário.” (livro página 15). Para além disso, consegui verificar a presença da Ambição humana, nomeadamente na personagem de Kino, visto que este não se contentou com o valor que lhe fora oferecido pela pérola. No entanto, com o decorrer do texto verificamos que esta ambição se foi tornando cada vez maior, visto que Kino se tornou cada vez mais uma pessoa agressiva que apenas via uma solução para os seus problemas: matar as pessoas que lhe faziam frente. Por fim, temos também presente a persistência por parte de Kino, visto que este não desistia de lutar pela venda da pérola por um valor que lhe parecia justo.

O livro “A Pérola” conta-nos a triste e, ao mesmo tempo, bela história de uma pobre família Índia. Tal como é referido na Sinopse “ A Pérola constitui uma inesquecível parábola poética sobre as grandezas e as misérias do mundo em que vivemos”. Na minha opinião, é um livro muito bom que aborda temas da atualidade o que nos dá a sensação de que foi escrito no momento e nos permite identificarmo-nos com as personagens. Para além disso, é um livro de fácil leitura que nos prende à história. Apesar de ser um livro pequeno, tem uma história enorme que cada um pode interpretar à sua maneira.

Adorei ler este livro que é, sem dúvida, uma boa recomendação de leitura.

Texto da aluna,  Clara Sá, 9º A, vencedora do CNL - fase escolar

 

 

 

Banco de Manuais Escolares

 A Escola Secundária de Barcelinhos criou o Banco de Manuais Escolares.

 O BME tem como objetivo fomentar  a partilha de Manuais Escolares possibilitando a sua recuperação  e utilização de forma gratuita, a quem deles necessite.

Antes de ires para férias deixa os teus manuais escolares na Beaf e inscreve-te para receberes os do próximo ano letivo.

Para mais informações consulta o regulamento.

 

Banco de livros_2018.png

 

 

Dia Mundial do Livro

IMG_0949.JPG

Não é a capa de um livro, nem um cartaz. O "tião" nasceu na biblioteca da Escola Secundária de Barcelinhos, no Dia Mundial do Livro, pelas mãos mágicas do ilustrador Sebastião Peixoto que, num encontro com os nossos alunos,  falou acerca da sua paixão e talento pela ilustração. 

Sebastião Peixoto, Ilustrador, é natural de Braga. Licenciou-se em Artes Plásticas – Pintura, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.

Desde 2009 que colabora com várias editoras na ilustração de livros infantis, como a Planeta Júnior, Trampolim, Quidnovi, Opera Omnia, Paleta de Letras, entre outras, tendo já ilustrado mais de 15 livros, alguns publicados no estrangeiro.

Conta já com vários  trabalhos publicados em diversos suportes (fanzines, revistas e jornais) e participa, regularmente, em exposições coletivas de pintura e ilustração em Portugal e no Estrangeiro.

Em 2014, foi-lhe atribuída uma menção Honrosa no 7º Encontro Internacional de Ilustração de S. João da Madeira.

Fez parte da exposição coletiva em homenagem ao Charlie Hebdo, na Livraria Papa-Livros.

Vários dos seus livros ilustrados constam na lista do PNL e fazem as delícias dos mais pequeninos, dada a grandeza das suas ilustrações. 

Foi um encontro que contribuiu, grandemente, para o enriquecimento dos nossos alunos ao contactarem com um convidado que, de uma forma simples e sem formalismos, deixou provas das suas qualidades artísticas, através de uma ilustração criada in loco, "O tião". Este desenho simboliza, de forma exemplar, o Dia Mundial do Livro que hoje se comemora.

 

 

Concurso Nacional de Leitura - Fase concelhia

 CNL 2018 - fase concelhia.

IMG_0936.JPG

 O Teatro Gil Vicente, em Barcelos, foi palco da fase concelhia do CNL 2018.  Alunos de todos os agrupamentos do concelho e de todos os ciclos de ensino juntaram-se para homenagear a Leitura.

A Escola Secundária de Barcelinhos fez-se representar pelo aluno do 3º ciclo, Carlos Daniel Araújo da Silva e, da aluna do secundário, Cátia Daniela Belchior Alves.

Parabéns a todos os concorrentes, em especial aos nossos alunos que, mesmo não tendo sido apurados, representaram orgulhosamente a nossa escola. 

 

Concurso Concelhio "Pequenos Grandes Poetas"

29512465_1697666393615205_5816904942756791238_n.jp

Bruna Barbosa, aluna da Secundária de Barcelinhos, vencedora do Concurso Concelhio Pequenos Grandes Poetas, modalidade de poema inédito, 3º escalão, com o poema "O Poder das Palavras". 
Parabéns aos nossos participantes:  Matilde Gomes, Daniela Beatriz Sá Costa e Maurício Vale.

Poema vencedor

O Poder das Palavras
As palavras são vermelhas 
Como o sangue que corre nas veias, 
Como o coração que sobressai 
No meio da confusão,
Como a cor dos carnudos lábios
Que transbordam de paixão.
São aquilo que nos falta 
Quando deixamos falar o coração,
E damos asas à imaginação.
São assim, as palavras,
Ninguém as pode tirar, 
Ninguém as pode roubar.
Com elas podemos, pouco a pouco, 
Mudar a mente, o que é dado como certo
E ninguém se atreve a contestar.

Bruna Barbosa, 7º A

 

 

 

 

 

 

Dia Mundial da Poesia

Cartaz_.png

Programa: 

09H |  "Árvore Poética"

           Colocação de  frases e poemas feitos pela Comunidade escolar 

           "As árvores também tem Poesia"

            Identificação das árvores do jardim da escola com poemas

10H | "Diga aqui um poema"

          Leitura de poemas em vários locais da escola