Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Diários de Escrita

A Importância de Viajar

Desde os primórdios da Humanidade, os Humanos sempre sentiram necessidade de viajar, e, hoje em dia, continua a ser dos hábitos mais regularmente praticados.

As viagens são importantes em termos de lazer, já que, na grande maioria das viagens, deixa-se um pouco de parte a vida profissional e tira-se um tempo para estar connosco ou com os que gostamos, o que se reveste de muita importância.

Viajar, a nível particular e/ou familiar, também é importante em termos de turismo, dado que este é um dos maiores mercados atuais e, ao viajar, estamos a apoiá-lo. O turismo é tão importante que foi feito um estudo a revelar que sem este enorme mercado o mundo não estaria nada similar ao atual em termos de desenvolvimento.

Por outro lado, viajar também pode ter consequências pejorativas, visto que ao juntar pessoas de diferentes etnias e países, aumenta o risco de xenofobia e racismo. Há inúmeros relatos de indivíduos que eram de uma determinada etnia, emigraram ou viajaram temporariamente para outro país, e foram muito julgados e criticados a nível social. Não obstante, são muitos os que defendem as mais valias das trocas culturais e do mundo globalizado... Afinal de contas, a tolerância e a aceitação só se desenvolvem em contacto com as diferenças.

Em jeito de conclusão, viajar é fulcral para o desenvolvimento de cada indivíduo e, consequentemente, para cada sociedade, que se reflete tanto aos níveis de bem-estar pessoal, como social, económico e até político.

Marcos Torres nº16 8ºB

Diários de Escrita

Sonhar é Voar

Desde sempre que o sonho é o que nos faz evoluir, crescer e aprender. Sem sonhar, o Homem continuaria a ser apenas uma espécie como outra qualquer. Desde o primeiro humano até à nossa geração que sonhar é voar.

Por um lado, como eu já referi previamente, o sonho é o que nos faz desenvolver, evoluir, aprender, ...enfim, viver. Sonhar é tão ou mais importante do que beber ou dormir. Foi o sonho que fez com que o Homem chegasse à Lua, conseguisse criar o atual sistema de saúde, a televisão, a lâmpada, a Internet...Todas as coisas alcançadas foram conseguidas através do sonho.

Por outro lado, também pode ser mau sonhar alto de mais, por isso, ao sonhar, deve-se ter em conta a realidade e não criar expectativas desumanas e desmedidas. Muitas desilusões foram criadas com base em sonhos não alcançados e algumas deram origem, em casos extremos, a grandes frustrações.

Em suma, o sonho é, foi, e sempre será, o mais importante na vida. Porém, deve-se ter em conta a ambição ... Tudo o que é em demasia, até o importante, não é bom!

Marcos Torres nº16 8ºB

Diários de Escrita

Açores

    Açores, o arquipélago que eu tive o enorme prazer de conhecer quando era criança. Todas as suas ilhas são repletas de paisagens lindas e de tirar o fôlego.

    Eu conheci todas as ilhas, mas as que mais me marcaram foram o Pico e São Miguel. De entre as paisagens lindíssimas, os locais que ficaram, e ficarão, gravados na minha memória fotográfica são as piscinas naturais presentes em algumas das ilhas deste arquipélago, bem como a fauna e a flora destes locais, diria quase paradisíacos.

Na escuridão da noite, pude ver com maior clareza as estrelas, o que também me impressionou, uma vez que, no continente, nunca tive a oportunidade de observar estes corpos celestes com tanta atenção.

    Não posso esquecer a visita às grutas do Pico, passagem obrigatória para quem vai à ilha e da qual guardo boas recordações. Foi como uma descida ao centro da terra!

    Apesar de esta viagem me ter marcado, muito positivamente, tenho pena de já não me lembrar de muitas coisas, por isso espero um dia lá voltar.

Rita Miranda, nº17,  8ºB

 

Diários de Escrita

O Gato das Botas - Conto reinventado

      Era uma vez um homem muito rico, que, quando morreu deixou o seguinte testamento: ao filho mais velho deixou a sua mansão, ao do meio, um Porsche e ao mais novo, um chapéu, um par de botas e um colete. O filho mais novo questionou-me porque é que os outros irmãos tinham coisas espetaculares enquanto ele tinha apenas três coisas que, segundo ele, não serviriam para nada.

      Passaram-se anos e, entretanto, todos tiveram filhos. O filho mais novo morreu, sem utilizar uma única vez os pertences que o pai lhe tinha deixado. Estes ficaram guardados no sótão, num baú, até ao dia em que o filho, após a morte do pai, resolveu arrumar a casa, encontrou o baú e decidiu experimentar os objetos. Assim que os vestiu, transformou-se, de imediato, num gato. Gostou tanto da sua nova aparência que não se deu ao trabalho de perceber como voltaria a tornar-se humano.

     Passados dias a vaguear pelos telhados, a apanhar ratos e a caçar pássaros – tivera de alterar o seu regime alimentar, o que lhe custou bastante -, o gato viu um anúncio na televisão sobre a abertura de vagas para um filme em Hollywood e quis logo participar.

Compareceu no local, à hora marcada para o casting e, após deliberação do júri, foi sagrado vencedor, por unanimidade. De facto, nunca ninguém vira, até aquela data, um gato falante.

No dia seguinte, começaram as filmagens. Estava tudo a correr bem, até que descobriu um aquário com peixes e não resistiu. O diretor das filmagens ficou muito furioso porque ele tinha estragado o cenário, e queria expulsá-lo, mas decidiu dar-lhe mais uma oportunidade.

      Passaram mais alguns dias de filmagens e o guião previa uma cena em que o gato tinha de tirar a roupa, ou seja, despir-se dos pertences do pai. Logo que isso aconteceu, o felino voltou a transformar-se em humano. Então, apercebeu-se que ainda estava no sótão, junto ao baú – apenas tinham passado duas horas, pois enquanto era gato, o tempo parava.

      Depois desta descoberta, ele regressava ao sótão e vestia estes pertences, sempre que queria viver experiências fora do comum.

Ana Sousa nº1 e Carolina Vale nº7, 8ºB

 

Diários de Escrita

Os avós

Na minha opinião, hoje em dia os avós podem ser perfeitamente integrados na sociedade.

Em primeiro lugar, os avós são pessoa que merecem todo o nosso carinho e não é por serem mais velhos que os devemos esquecer. De facto, quer estejam reformados ou não, podem ser muito úteis para a sociedade.

Por um lado, se estiverem reformados, têm muito tempo para eles e para os outros: tempo para passear, para estar com os amigos e até para ajudar ou fazer favores a familiares e amigos. Mas eles também ainda podem trabalhar, ocupando, deste modo, um pouco mais do seu tempo.

Por outro lado, podem continuar a aprender, uma vez que existem hoje em dia as universidades seniores que promovem uma aprendizagem na terceira idade e que permitem a integração destes na sociedade, transmitindo ou atualizando saberes e conhecimentos em áreas que, à partida não teriam, como por exemplo, a informática que os aproxima de gerações mais novas. Por exemplo, esse conhecimento de informática pode levá-los às redes sociais e promove o contato com antigos colegas, com pessoas novas ou ainda com familiares distantes.

Em conclusão, os avós podem, portanto, estar bem inseridos na sociedade e acompanhar as mudanças dos tempos atuais.

Rita Miranda, nº17, 8ºB

Diários de Escrita

A-Perola.jpg

O livro “ A Pérola ” conta-nos a história de uma pobre família mexicana, formada por Kino, um pescador, Juana, sua mulher, e Coyotito, o filho de ambos. Numa manhã que aparentava ser uma simples manhã, Coyotito foi picado no ombro por um escorpião. Sem saber o que fazer, Juana encostou os seus lábios sobre o ombro de Coyotito e sugou o veneno do corpo da criança. Sem certeza de que tinha resultado, Juana convenceu Kino a irem ao médico na cidade. No entanto, este decidiu que não os atenderia, pelo facto de serem pobres, não tendo dinheiro para pagar os tratamentos da criança. Frustrados com a atitude deste, decidiram ir para o mar na esperança de encontrarem uma pérola para pagar os tratamentos de Coyotito. Recolhendo todas as ostras, Kino, regressou à canoa, onde as abriu uma a uma. Na última ostra que lhe restava abrir estava escondida uma das maiores e mais belas pérolas: a Pérola do Mundo. No preciso mesmo momento em que Kino retira a pérola da ostra, o inchaço e a dor no ombro de Coyotito desapareceram. Rapidamente a notícia de que Kino tinha encontrado a pérola do Mundo se espalhou pela cidade. Com a Pérola em sua posse, Kino sonhava vendê-la e com o dinheiro casar-se-ia com Juana, colocaria Coyotito numa escola e compraria uma espingarda para poder defender-se.

Na manhã seguinte, deslocaram-se à Praia para junto dos Compradores de Pérolas, que lhe apresentaram um valor extremamente baixo pela pérola. Quando soube que Kino tinha em sua posse a Pérola do Mundo, o médico dirigiu-se à cabana, desculpando-se pelo facto de não ter atendido a criança durante a manhã. Apesar de a criança já estar bem, o médico afirmava que não, e dirigindo-se a Coyotito, deu-lhe um comprimido que supostamente o trataria. Tal não aconteceu e a criança ficou ainda pior. Perante a situação, Juana, achando que a Pérola estava amaldiçoada, sugeriu a Kino que se livrasse dela, mas este recusou. Então, Juana tentou livrar-se dela, mas não teve tempo, pois foi apanhada por Kino. Enquanto regressava à cabana, Kino foi agredido pelo homem que lhe tentava tirar a pérola e em sua defesa matou-o. Quando regressaram à cabana, repararam que tinha sido assaltada e que estava a arder. 

Para escapar à Polícia, decidiram fugir para as montanhas. Estavam a ser perseguidos por dois batedores e um homem a cavalo. Durante a noite, Kino matou-os, mas antes de morrer um dos homens lançou um tiro para o ar, atingindo Coyotito que se escondia com Juana numa cabana no topo da montanha. Depois da morte de Coyotito, Kino e Juana decidem regressar à cidade onde viviam. Kino decidiu devolver a pérola ao mar por a achar feia, cinzenta e ulcerada e por conseguir ver nela Coyotito estendido na Cabana com a parte superior da cabeça arrancada.

Ao longo deste livro são abordados vários temas nomeadamente a ganância do médico, o que se pode verificar quando ele se vira para o empregado perguntando “- Ele tem dinheiro?- perguntou o médico – Não, eles nunca têm dinheiro. Eles acham que eu, apenas eu, tenho de trabalhar de graça…e eu estou farto disso. Vai ver se ele traz dinheiro!” (livro página 15). Verificamos também a presença de racismo quando o médico diz: “ – E eu não tenho mais nada que fazer senão curar picadas de insetos dos «pobres índios»? Eu sou médico não sou veterinário.” (livro página 15). Para além disso, consegui verificar a presença da Ambição humana, nomeadamente na personagem de Kino, visto que este não se contentou com o valor que lhe fora oferecido pela pérola. No entanto, com o decorrer do texto verificamos que esta ambição se foi tornando cada vez maior, visto que Kino se tornou cada vez mais uma pessoa agressiva que apenas via uma solução para os seus problemas: matar as pessoas que lhe faziam frente. Por fim, temos também presente a persistência por parte de Kino, visto que este não desistia de lutar pela venda da pérola por um valor que lhe parecia justo.

O livro “A Pérola” conta-nos a triste e, ao mesmo tempo, bela história de uma pobre família Índia. Tal como é referido na Sinopse “ A Pérola constitui uma inesquecível parábola poética sobre as grandezas e as misérias do mundo em que vivemos”. Na minha opinião, é um livro muito bom que aborda temas da atualidade o que nos dá a sensação de que foi escrito no momento e nos permite identificarmo-nos com as personagens. Para além disso, é um livro de fácil leitura que nos prende à história. Apesar de ser um livro pequeno, tem uma história enorme que cada um pode interpretar à sua maneira.

Adorei ler este livro que é, sem dúvida, uma boa recomendação de leitura.

Texto da aluna,  Clara Sá, 9º A, vencedora do CNL - fase escolar

 

 

 

Diários de Escrita

Escolhas para a vida

 ESCOLHASS.jpg

                A vida é um curto espaço de tempo em que nós, humanos, estamos num planeta, na Terra. Neste período, vamos sendo obrigados a efetuar inúmeras escolhas, umas mais fáceis, outras mais difíceis, mas todas elas têm consequências na nossa vida.

                Cada atitude nossa acaba por ser uma escolha e, são estas decisões que vão moldando a nossa personalidade e aquilo que vamos ser, num futuro próximo. Lembro-me de há tempos atrás ouvir a frase “até mesmo quando não escolhemos nada, estamos a efetuar uma escolha”. Fiquei a pensar, por momentos e, foi então, que percebi que a nossa vida é feita de escolhas em todos os momentos, horas e minutos. De um modo geral, a vida acaba por ser a soma de todas as opções que efetuamos.

                Desde muito cedo, vemo-nos obrigados a realizar pequenas escolhas que pouco impacto terão, como, por exemplo, se preferimos comer uma maçã ou um pão. No entanto, com o passar do tempo, teremos de fazer opções mais complexas e com um maior impacto a longo prazo. A este caso podemos associar um daqueles que é o maior dilema dos alunos finalistas do secundário: que caminho seguir? A meu ver, esta é, talvez, a escolha mais complicada que irei ter de tomar, visto que é ela que irá quase que definir o meu futuro. No entanto, há que colocar aquele pequeno medo que nos acompanha, desde sempre, de lado e apostar naquilo que mais gostamos e nos faz feliz.

                São várias as decisões complicadas que iremos ter de efetivar, ao longo desta caminhada, mas também serão muitas as surpresas e recompensas que nos aguardam no futuro. Posto isto, não devemos ter medo de arriscar, uma vez que, mesmo que tenhamos feito a escolha errada, há sempre uma forma de dar a volta. Afinal, o que seria a vida sem erros?

                Concluindo, penso que  devemos sempre encarar todas as opções que vamos ter de equacionar  como um desafio e fazê-las da forma mais responsável possível. O prémio será uma vida bem estruturada e feliz, porque este percurso é o reflexo das nossas escolhas.     

Susana Patrícia Ferreira Barbosa, 12ºD

Diários de Escrita

Cartaz.png

 Desde pequenos, quando ainda nem ler sabemos, até ao fim da vida, a Literatura faz parte do nosso quotidiano, mas quando nos colocam a pergunta: “Qual a importância da Literatura para a Humanidade?” não sabemos dar uma definição concreta.

Em primeiro lugar, quando se procura no dicionário o significado de Literatura aparece “arte de escrever”. Mas será que esta é a única definição de Literatura? Como Sigmund Freud referiu “Os poetas e os romancistas são aliados preciosos, e o seu testemunho merece a mais alta consideração, porque eles conhecem, entre o céu e a terra, muitas coisas que a nossa sabedoria escolar nem sequer sonha ainda. São, no conhecimento da alma, nossos mestres, que somos homens vulgares, pois bebem de fontes que não se tornaram ainda acessíveis à ciência.”, perante isto, conclui-se que a Literatura é muito mais que a arte de escrever, influenciando de uma forma grandiosa o nosso conhecimento. Porém, numa sociedade onde há poucos leitores e uma grande carência educacional, não se pode esperar que se tenha uma compreensão mais abrangente sobre o tema.

Em segundo lugar, a Literatura permite ao indivíduo estimular os seus conhecimentos, refletindo sobre assuntos que nunca refletiu, ou seja, “a nossa sabedoria escolar nem sequer sonha ainda” como Sigmund Freud opinou. Desta forma, a Literatura tem grande importância para a sociedade pois contribui para a valorização cultural e social do indivíduo, desenvolvendo o seu senso crítico, tendo a capacidade de chegar à alma, fazendo reflexões sobre o mundo e realidade e, até, sobre nós mesmos sendo exemplo disso, o meu livro preferido “Milk and Honey” de Rupi Kaur que despertou o meu sentido crítico sobre vários assuntos, refletindo imenso sobre mim mesma e sobre a sociedade que me rodeia, despoletando em mim a vontade de querer mudar o mundo. Deste modo, visto que a Literatura enriquece tanto o ser humano, é normal ser importante no âmbito escolar, sendo uma forte influência em cada um de nós. No entanto, há uma grande quantidade de estudantes que menosprezam a Literatura, porém, aqueles que a valorizam, usufruem, sem dúvida, dos benefícios que a Literatura oferece, nomeadamente, cultura, lazer, enriquecimento vocabular e perspetivas diferentes da vida e do mundo. Um grande exemplo disto é a influência que Fernando Pessoa teve em mim, especificamente na minha maneira de pensar, pois ao longo do estudo da sua poesia e obra fui-me identificando com alguns dos seus pensamentos, refletindo assim sobre a minha realidade e mudando maneiras de pensar não caindo na tentativa de cometer os mesmos erros que os antigos. Mas não se fica por aqui, um grande tema ao longo do meu estudo de Literatura é a temática da mulher, observando a grande evolução que esta tem, sendo musa inspiradora de vários autores como, por exemplo, na poesia trovadoresca, Cesário Verde e Eça de Queirós. Outro tema muito abordado é o patriotismo e a força de vontade do povo português, relembrando o quanto o nosso povo conquistou e o quanto é grandioso, havendo duas grandes obras focadas neste assunto: Os Lusíadas, de Luís de Camões e Mensagem, de Fernando Pessoa.

Em suma, a Literatura é uma necessidade no nosso quotidiano, pois é um meio de expressar ideias e sonhos, inspirando os que nos rodeiam, revolucionando, assim, o mundo.

Diana Morim, 12ºC

Diários de Escrita

Por Susana Barbosa, 12º D

Em todas as escolas secundárias Publicação1.pngexiste uma associação liderada por alunos, a associação de estudantes. A minha não é diferente e, como tal, todos os anos, grupos de alunos juntam-se e criam listas como se fossem uma espécie de partido que concorre, por exemplo, à liderança de um país. No entanto, aqui é diferente, pois o objetivo é criar uma equipa para promover uma melhor integração dos estudantes, no núcleo educativo da escola, nomeadamente através da realização de atividades extracurriculares diversificadas e enriquecedoras

Assim sendo, há dias atrás, na minha escola, decorreram, como habitualmente, os dois dias de campanha das listas que estavam a candidatar-se a este cargo. Apesar de a campanha se realizar apenas no início de novembro, as duas listas candidatas começaram desde muito cedo a organizar tudo ao pormenor, para que tudo fosse perfeito.

À medida que os dias da campanha se aproximavam, a ansiedade ia crescendo em cada um de nós, pois sabíamos que seriam, provavelmente, dois dos melhores dias do nosso ano letivo, a nível de atuações musicais. Quando, finalmente, chegou o primeiro dia de campanha, lá estávamos nós, eufóricos e” trajados a rigor” com a camisola alusiva à lista que apoiávamos. Todos os gritos, todos os saltos e todos os cânticos que dedicávamos ao grupo que apoiávamos, davam ainda mais alegria e emoção a estes dias e, acima de tudo, eram demonstrações de apoio e de carinho a todos os membros destas duas listas. No entanto, o que é “ bom”  passa num ápice e a verdade é que estes dias passaram a correr.

 A meu ver, este género de campanha é essencial para uma escola, pois permite que haja um maior contacto entre todos nós e, consequentemente, uma melhor relação, não esquecendo a diversão que nos traz.  

Considero, também, que não devemos encarar a associação de estudantes como um grupo de alunos em busca de liderança, mas como um grupo de alunos que procura promover uma série de experiências magníficas a todos nós, ao longo de um ano letivo.

Assim sendo, resta-me desejar um ano repleto de sucesso à lista vencedora, pois, independentemente de termos ou não votado nela, é esta lista que nos vai representar e apoiar e, como cidadãos responsáveis que somos, certamente todos iremos contribuir para que esta nova associação nos propicie cultura e lazer.

 

 

Diários de Escrita, por anónimo

Carta à Amizade

boy-447701_960_720.jpg

Querida amizade,

Espero que te encontres bem de saúde. Eu, embora sem ti, cá vou andando.

Queria dizer-te, do fundo do coração, que gosto muito de ti. Eu sei que te posso ter desiludido algumas vezes. Sei que outras vezes me posso ter distraído, deixando de pensar em ti. E se isso por ventura aconteceu, queria pedir-te desculpa, dizer-te que vou estar mais atento aos teus anseios, às tuas necessidades, ao teu sofrimento. Peço-te que não te deixes confundir pela confusão, frustrar pela frustração, desiludir pela desilusão. Não esvazies o teu coração, só porque ouviste dizer mal de mim. 
Se tiveres queixa de mim, diz-me só a mim o que te vai na alma. Só eu sei o que fiz ou não fiz, o que disse ou não disse. Só eu saberei esclarecer a essência das minhas palavras e mais ninguém.
E se por ventura houver alguma razão para não estares contente comigo, não queiras, que a vírgula que nos separa, se transforme em ponto final.

Fernandinho