Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Catálogo PNL - Plano Nacional de Leitura

O Plano Nacional de Leitura 2027  publicou, no seu portal, o catálogo on line dos livros recomendados pelo PNL2027 para o 1.º semestre de 2019. 

As sugestões de leitura incluem temas variados e destinam-se a públicos diferenciados - crianças, jovens e adultos.

Os livros apresentados resultam de uma seleção prévia feita pelas editoras, posteriormente apreciada por um conjunto de especialistas independentes, de reconhecido mérito e qualificação nas diferentes áreas.

 


 

Divulgação do "Leitor do Mês" 2018-19

Chegados (quase) ao final do ano, celebramos aqueles que se destacaram como "Leitores do Mês".

Todos os vencedores desfrutaram já das viagens que cada leitura lhes proporcionou e terão, ainda, direito ao certificado de "Leitor do Mês".

Aos que ainda se não aventuraram, cá os esperamos no próximo ano letivo com mais viagens, aventuras e outros prémios.

Imagem leitor do mês.jpg

 

 

 

O Meu Avó, o Meu Pai e Eu - Teatro sobre o 25 de abril

Companhia de Teatro de Santo Tirso, na Escola Secundária de Barcelinhos.

IMG_1298.JPG

No passado dia 26 de abril, o Grupo de Teatro de Santo Tirso veio à nossa escola com uma peça de teatro, no âmbito do programa das comemorações do 25 de abril, com uma excelente representação da "história" do 25 de abril e dos conflitos entre um pai, submisso ao regime Salazarista e um  filho revoltado contra o sistema e ávido de liberdade. A peça em si faz uma retrospetiva muito interessante do país "cinzento" e atrasado que existia, sob a alçada de um regime que se intitulava de "Estado Novo", mas que deixou muitas gerações ostracizadas e sujeitas a uma ignorância coletiva, que foram aceitando durante 48 anos, como algo que tinham que passar, para se cumprir a máxima do regime: "Deus, Pátria, Família" e "Tudo pela Nação, Nada contra a Nação. No diálogo dos atores é percetível a viagem histórica dos acontecimentos, até nas vésperas de Revolução de Abril, e a leitura antagónica que duas gerações, pai e filho, do país, com um excelente texto.

O argumento, da autoria do ator, António Rodrigues, aborda conteúdos programáticos de Português e de História contribuindo, desta forma, para um entendimento mais próximo da realidade, sobretudos para aqueles que, à época, ainda não tinham nascido....

No final os alunos apreciaram a peça e, seguramente, que terão saído mais informados sobre a distância do país que hoje vivem e o país que existia antes do 25 de abril.

 

 

Teatro. O meu avô, o meu pai e eu - uma história da revolução

Celebrar os 45 anos da revolução de abril.

Auditório da ESBarcelinhos, 26 de abril, às 10 horas.

O meu pai, o meu avô e eu..jpg

O meu avô, o meu pai e eu – uma história da revolução” retrata as condições de vida em Portugal durante a ditadura de Salazar e os principais acontecimentos que conduziram ao dia 25 de abril de 1974. Inspirado em “As portas que abril abriu”, de José Carlos Ary dos Santos, esta peça viaja até 1975 a uma sala de estar onde pai e filho, recordando a história recente de um país saído de uma revolução, vão esgrimindo argumentos e considerações, criando momentos de conflito ao reviver a história. Um pai que ainda vive segundo o trinómio “Deus, Pátria e Família”. Um filho que reclama os valores de abril. Um país que vive em instabilidade política e social após 48 anos de ditadura. E a história narrada dentro de uma história.

Texto: António Rodrigues | Encenação: CTST |

Som e luz: Rosa Pereira, Sara Salgueiro

Interpretação: António Rodrigues e Sérgio Macedo  

Teatro: O meu avô, o meu pai e eu - Uma história da revolução

Novo Documento do Microsoft Publisher.png

O meu avô, o meu pai e eu – uma história da revolução” retrata as condições de vida em Portugal durante a ditadura de Salazar e os principais acontecimentos que conduziram ao dia 25 de abril de 1974. Inspirado em “As portas que abril abriu”, de José Carlos Ary dos Santos, esta peça viaja até 1975 a uma sala de estar onde pai e filho, recordando a história recente de um país saído de uma revolução, vão esgrimindo argumentos e considerações, criando momentos de conflito ao reviver a história. Um pai que ainda vive segundo o trinómio “Deus, Pátria e Família”. Um filho que reclama os valores de abril. Um país que vive em instabilidade política e social após 48 anos de ditadura. E a história narrada dentro de uma história.

Texto: António Rodrigues | Encenação: CTST |

Som e luz: Rosa Pereira, Sara Salgueiro

Interpretação: António Rodrigues e Sérgio Macedo