Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

O Lugar da Poesia

Voo destemido                                                                    

As penas deles tocam o céu.

Poderia eu voar tão alto?

Eles movem-se com uma graça misteriosa,

Oh, mas que vida esplendorosa!

Destas belas criaturas.

Eu quero voar sem medo

Tocar nas estrelas, milhares.

Viver nas alturas,

Ainda que me sinta remota,

Remota, como o brilho e mistério dos seus olhares.

Sílvia Costa, 11ºD

O Lugar da Poesia

Um sonho                                                                                                                 

Era uma vez uma criança que sonhava,

Sonhava em crescer e fazer tudo,

Tudo aquilo em que acreditava

E que viria a ser o seu futuro. 

 

Durante o seu caminho encontrou a dificuldade

Por vezes impossível de superar.

Mas com memórias de felicidade

Lá conseguiu recuperar.

 

Hoje, olha para trás e pensa:

"apesar de tudo sou feliz!"

Afinal a criança que sonhava com a recompensa

Alcançou o que sempre quis.

Margarida, 12ºD

O Lugar da Poesia

Quem sou eu?                                                                      

Quem sou? Que sinto?

Interrogo-me a cada momento,

Mas nunca respondo.

Sou eu no espelho?

Sou eu na janela?

Sorrio, choro, aceno.

Do outro lado: o silêncio.

Vejo o meu reflexo:

Imagem distorcida

Convivo com livros,

Escrevo cartas com números.

Escola, aulas, intervalos,

Tudo isto me define.

Vejo o meu reflexo:

Imagem real!

 

Mas… pensadora de mais,

Ansiosa em excesso,

Nervosa no limite.

Choro, sorrio, olho,

Mas não me consigo definir:

Imagem obscura!

Então, quem sou eu?

Que sentimento me atormenta?

Serei a única?

Mas sou eu…assim:

Imagem de mim mesma

Quica

O Lugar da Poesia

Quase Poema                                                                           

Todo o  mundo tem um dom.                                                    

Mas talvez todo o mundo não caiba em mim.

Todo o mundo tem amigos.

Mas talvez amigos não seja para mim.

Tentar - talvez essa palavra caiba em mim.

Tentei - já tentei até ser um bom escritor.

Mas talvez esse dom não seja para mim.

Enfim, encontrarei uma solução?

Ou só viverei de talvez?

Encontrarei um objetivo para mim?

Ou viverei o resto da vida apenas a tentar?

Luís Guimarães, 11ºD

O Lugar da Poesia

O que será melhor?     

                                                       

Será melhor…

Será melhor matemática ou história?

Será melhor português ou ciências?

Será melhor física ou educação física?

Será melhor biologia ou economia? 

 

Será melhor profissional ou regular?

Será melhor trabalhar ou estudar?

Será melhor trabalhar e estudar?

Será melhor escolher sozinho ou pedir ajuda?

 

São tantas perguntas,

Tão pouco tempo para as responder,

Tanto em que pensar que me põe a cabeça às voltas.

Mas afinal o que será melhor para mim?

Clara Pereira, 11ºD

O Lugar da Poesia

Paixão                                                                                                

Paixão nunca é sinónimo de amor,

apenas acumula toda a dor.

Dá uma forte palpitação no coração,

que dói perante tanta aflição.

 

A tristeza leva a sentir

tudo aquilo que nos faz mentir.

Sentimos ao longo das páginas

o fraco sabor das lágrimas.

 

Se precipitamos a ação,

Vai-nos fazer doer o coração.

A vida vai prolongar a dor

e deixaremos de acreditar no amor.

 

Tanto começas amador,

Como acabas manipulador.

Paixão nunca é sinónimo de amor.

Diana Figueiredo, 11ºD

O Lugar da Poesia

O poema do meu eu                                                                      

Aqui estou eu...

Longe do mundo, longe de tudo.

Tratando de tudo, sozinho...

Andando aí pelo caminho.

 

Ao longe vejo tudo...

Tudo o que sempre quis.

Andando pelos carris,

E pensando no meu mundo.

 

Recordar é viver...

E viver é experimentar.

Andar nas ondas do mar...

Saber perder-me,

para depois me reencontrar.

Inês Costa, 11ºD

O Lugar da Poesia

 

O Amor                                                                                  

O amor são dois corações

Corações que batem de forma sincronizada

Sincronizada para sofrer e chorar

Chorar às vezes faz parte

Parte em dois o teu sentimento

Sentimento escondido pela dor

Dor do amanhã de não haver tempo

Tempo para sorrir

Sorrir a pensar em ti!

Ana Figueiredo, 12 D 

O Lugar da Poesia

Natureza                                               

Pelos vales e montanhas

Há árvores, há flores,

Umas bonitas, outras estranhas,

Umas sem vida, outras cheias de cores.

 

Sei bem o que inspira

O ar que se respira.

Na liberdade de um campo de trigo

Encontro a imensidão de uma amigo!

 

As águas límpidas

Compõem uma canção,

Por vezes, são insípidas,

Mas enchem o meu coração.

 

Abre a tua imaginação!

Corre pelos campos e prados.

Sente os cheiros e a diversidade,

Experimenta a sensação de plena liberdade!

Andreia Loureiro, 12ºD

O Lugar da Poesia

Mundo Cruel                                                       
Ontem, dei por mim a pensar

Que seria do mundo sem amor.

Foi então que desatei a chorar,

Nunca imaginei tanta dor.

 

Ontem, dei por mim a pensar

Como seria o mundo sem perdão. 

Teria muito que aguentar,

Não ter quem me desse a mão. 

 

Ontem, dei por mim a pensar

Como seria o mundo sem liberdade. 

Acabei por desesperar,

Era o fim da humanidade.

 

Hoje, dou por mim a pensar

Que sou uma privilegiada,

Pois, enquanto uns estão a chorar,

Eu sou livre e sou amada.

Sara Vilas Boas, 11ºD

O Lugar da Poesia

Mãe                                                   

Quis dar-te uma flor

Muito especial.

Tanto procurei,

Mas a que eu encontrei

Alguém já tinha igual.

 

Quis dar-te o amor

Que sinto por ti,

Muito bem embrulhado

Com um laço enfeitado,

Mas logo percebi

Que este amor,

Que eu te quero dar,

É tão grande que apenas

Cabe num lugar.

 

Por isso, escuta esta canção

Que eu te estou agora a cantar:

Ela é a forma que eu encontrei

De te dizer e mostrar

O amor por ti!

Bruno Gomes, 12D

O Lugar da Poesia


Interrogação                                                       

Fico a pensar

Que os arrebatamentos da dor

Devem-se aos rumores

Das nossas dores.

 

Fico a pensar

Que a nossa felicidade

Deve-se, no entanto,

Ao nosso amor.

 

Fico a pensar

Que a vida está a acabar

E chego a perguntar

O que não fiz para a aproveitar?

 Cristina Martins, 11ºD

O Lugar da Poesia

Ilusão                                              

Falamos sobre amor,
Sentimento quente
Que nos engana a mente
Sem qualquer pudor!

É-nos ensinado e relatado,
Como fascínio e tentação,
Que, quando o encontramos,
É como uma ostentação.

Porém, a realidade não é como nos livros,
Os poetas escrevem sobre amor,
Mas sem mostrar a sua dor!

Desmoronamos,
Sem saber onde estamos!
Somos embalados
Pela angústia e escuridão,
E chegamos à conclusão 

Que amar
Sempre foi em vão!

Beatriz Sousa, 11ºD

O Lugar da Poesia

Escola                                  

Obrigado meus amigos,                                         BE quer reabilitação urgente da Escola Secundária de Barcelinhos

Também vou nessa estrada.

Quem viaja convosco

Nunca perde nada.

 

Que belos amigos

Ao longo de seis anos fiz.

Se o mundo me ajudar

Eu vou ser muito feliz!

 

Aos professores desta escola:

Saúde, paz e bem.

Com saudades dela me despeço

E deles também.

 

Oh escola de S.Brás!

A terceira que frequentei!

Aqui fui tão feliz

Que até me enamorei.

 

A vida é bonita,

Se a souber aproveitar.

Obrigado aos professores

Que se esforçaram por me ajudar.

 

Saio desta escola,

Olhando para trás.

Saio daqui um homem,

Onde entrei como rapaz.

Daniel Esteves, 12ºD

O Lugar da Poesia

Desilusão                                                   O Monstrengo: O Mostrengo

Face lívida, aparência celestial,

veste branca, olhos de cristal.

À Terra desce um anjo, divino:

vem ver como está Portugal!

 

Rejubila com o lusitano mar

que aos destemidos permitiu viajar,

nesses tempos áureos de outrora,

por onde outros não conseguiram sequer sonhar.

 

Decide agora os homens visitar

para com eles dialogar,

e qual não é o seu espanto

por ver que eles mudaram tanto!

 

Já não há nenhum coração

aos valores aprisionado,

ou alguém da tal humildade dotado,

capaz de repartir sempre o seu pão.

 

Nesta (agora) pequena nação

só dá conta do desprezo, do ódio,

de uma sociedade de vil negócio

que já nem irmão conhece irmão.

 

Flamejante sobe ao céu a criatura,

cheia de angústia e tristeza,

tão impressionada de tal avareza

que parte sem nunca mais querer voltar.

Carlos Silva, 11ºA

O Lugar da Poesia

Cegueira

Estou aqui! Mas não grito.

É no silêncio da alma que o grito se cala.

 

Estou aqui! Eu vejo

E sofro pela ausência

De um olhar…

Combato

A esperança vencida!

O arrependimento,

Remédio único!

 

Restam os nomes

Pintados numa tela

Vermelha…

De cansaço,

De romance,

De novela.

Drama de Romeu e Julieta!

 

Agora, apenas a cegueira:

Tua, minha, dela.

Um dia, a lucidez;

Minha e tua.

 

"Florência", 11º A

O Lugar da Poesia

Ambiente                    

Ao meio ambiente

Estas quadras vou dedicar

Na esperança de que toda a gente

O consiga ajudar.

 

Nesta «casa» que é de todos

O verde está a desaparecer

E tudo por causa dos fogos

Que põem as árvores a arder.

 

Pelos ecopontos o lixo vamos separar

Com as cores verde, azul e amarelo

O lixo vais aprender a reciclar

E a tornar o planeta mais belo!

 

Se fechares a torneira

Quando os dentes fores lavar,

Essa será uma boa maneira

De a água estares a poupar!

 

E unidos de mão em mão

Convenceremos toda a gente

Para gravar no seu coração

A palavra Ambiente!

 

João Mota, 12ºD

O Lugar da Poesia

 

Aborto

Futura criatura de esperança!

Porém, filho de narcisistas e frustrados.

Aqui, vou eu repleto de anseios

Sempre cordial com a pequena vida que me assiste.

 

Hoje, tive a sorte de ver a alegria.

Alegria daquela que não me quer.

Mas tudo fez para que logo no útero

Não sentisse a agoniante humilhação.

 

Suponho que seja melhor assim,

Sofrer uma rejeição do que sentir o tamanho da partilha.

Vanessa Briote, 12ºD

O Lugar da Poesia

A vida

A vida passa

E não avisa.

 

Nem damos conta

do tempo que desperdiçamos,

das coisas que ficam por fazer,

ou das palavras que ficam por dizer.

 

Vivemos na esperança 

que o amanhã seja melhor,

Sem sequer ter garantia do hoje.

Mas no fim das contas,

tudo se resume a uma passagem.

Uma longa e, ao mesmo tempo,

rápida passagem que é a vida.

Beatriz Moreira, 12D

O Lugar da Poesia

A Viagem

Chegou o dia tão esperado,                                                            
despertar antes do amanhecer.
O mapa há tanto sonhado,
e agora vai tudo acontecer!

Quero viajar estrada fora,
quero olhar para a frente
e ser tão feliz agora,
nesta viagem com toda a gente.

Quero ver a lua e o mar,
tomar banhos de chuva intensa,
cantar bem alto e dançar,
soltar esta alegria imensa!

A alma solta que há em mim
vai seguir caminho para conhecer
tanto da vida, amor sem fim,
aventuras do meu próprio ser!

Laura Cordeiro, 11ºD