Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblioteca Escolar Dr. António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Biblioteca Escolar Dr. António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

26.Abr.17

Encontro com... Ricardo Frade no Dia Mundial do Livro

Encontro com... Ricardo Frade, autor do Livro, "Pé Descalço" no Dia Mundial do Livro.


Falar sobre um livro, no dia Mundial do Livro, é uma situação a que já nos habituamos.

Os alunos entram na biblioteca, sentam-se e já se encontram predispostos para ouvir o autor/apresentador a contar a sua história: o tema do livro, como o escreveu, em que se inspirou, se escreve mais de noite que de dia, etc... são perguntas habituais.

 



Hoje, na Beaf, aconteceu o inesperado. Os alunos assistiram, entusiasticamente, a uma sessão de apresentação de um livro que revolucionou todos os normativos.
Ricardo Frade, autor do livro "Pé Descalço", comunicador por excelência, deixou-nos  perplexos ao contar-nos  histórias de uma vida cheia de percalços e dificuldades.
Ricardo partilhou connosco  as estratégias mais importantes  para sermos bem sucedidos perante situações difíceis que, tal como ele, também nós seremos capazes de o fazer e mudar o rumo das coisas.
 O alcance dos objetivos está no esforço, na determinação e na vontade em  os alcançar. Devemos ser perseverantes na busca do desejado. A determinação e a confiança são também muito importantes para demonstrarmos a nós próprios que seremos capazes de conseguir aquilo que pretendemos ou definimos como objetivo. Afastar o medo da derrota ajudar-nos-á a confiar que tudo dará certo e assim teremos  sempre a certeza que conseguiremos alcançar o que desejamos. Deveremos ser sempre positivos, otimistas e lutar pelos nossos sonhos, pois o único responsável pela conquista somos nós próprios.
Estas foram algumas das mensagens deixadas aos alunos e que não são mais que a mensagem perpetuada no livro "Pé Descalço". Um livro sobre uma viagem especial, uma jornada de "sobrevivência urbana/civilizacional", sem dinheiro ou preparação antecipada, apenas improvisando, resolvendo problemas e superando desafios diários, da Suécia a Portugal, em apenas 13 dias!
Um livro que visa alcançar múltiplos objetivos contando não só a viagem, as aventuras e as dificuldades mas também, os princípios e valores para além dela. 

E assim, ao longo de noventa minutos, viajamos com Ricardo Frade.

 






23.Abr.17

Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor

 Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor

O Dia Mundial do Livro é comemorado, desde 1996 e por decisão da UNESCO, a 23 de Abril. Este ano associa-se aos 150 Anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal.
Esta data foi escolhida com base na tradição catalã segundo a qual, neste dia, os cavaleiros oferecem às suas damas uma rosa vermelha de S. Jorge, e recebem em troca um livro, testemunho das aventuras do heróico cavaleiro.
Em simultâneo, é prestada homenagem à obra de grandes escritores, como Shakespeare e Cervantes, falecidos em abril de 1616.
Em 2017, e porque se comemoram os 150 Anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal, a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas quis relacionar o Dia Mundial do Livro com esta efeméride, incitando à leitura e celebrando o livro como um hino à vida.
O cartaz, um cartoon com conceção e design da ilustradora e cartoonista Cristina Sampaio, pretende mostrar simbolicamente que o livro e a leitura são fatores fundamentais para o crescimento económico, político, social e cultural, e que se encontram na base da cidadania plena.
Na Beaf, esta data, será comemorada, 2ª feira, dia 24, com a presença do escritor Ricardo Frade, autor do livro, "Pé Descalço", e do jornalista e escritor, Alberto Serra.
Fonte: Blogue da RBE (adapt. de texto)
19.Abr.17

Pé Descalço

"Encontro com..." Ricardo Frade, autor do livro, Pé Descalço, no Dia Mundial do Livro.
 
 

 
 
 
 
 
 



Imagine-se na Suécia, no norte da península da Escandinávia, em pleno Inverno. Não conhece o país e não sabe uma palavra de sueco. Complemente o cenário com o facto de não ter na sua posse qualquer dispositivo eletrónico, dinheiro ou cartões de crédito/débito, e, para cúmulo, não tem onde dormir, nem sequer o que comer. O que faria para se desenvencilhar desta situação? Como fazer, no dia-a-dia, para dar a volta às situações mais difíceis que a vida lhe apresenta?
Ricardo Frade, professor e músico de formação, vai estar na Secundária de Barcelinhos, dia 24 de abril, às 10h00, para nos dar respostas a todas estas interrogações.
 
04.Abr.17

Concurso Pequenos Grandes Poetas

Concurso Concelhio "Pequenos Grandes Poetas"    
       

IMG_9950.JPG

IMG_9951.JPG

IMG_9955.JPG

IMG_9956.JPG

IMG_9957.JPG

IMG_9960.JPG

IMG_9961.JPG

IMG_9962.JPG

 

                                  

 
A Semana Concelhia da Leitura terminou com o grande espetáculo  "Pequenos Grandes Poetas", realizado no auditório da Câmara Municipal de Barcelos. 
Este evento integrou participantes de todos os escalões do ensino, que levaram a palco a poesia, nas modalidades de declamação e poema original.
A Secundária de Barcelinhos foi representada pelos alunos: 
Diana Silva e Maria Rego do 9º B, que declamaram "Poema para Galileo",  de António Gedeão;
Tatiana Barbosa, 11º B, com  o poema, "A Poesia Vai Acabar", de Manuel António Pina;
Beatriz Arrais, concorrente pelo 3º ciclo, com o poema original "Um Poema";
Maurício Vale apresentou a concurso o poema original, "Amor Universal", com o qual recebeu o prémio do escalão do ensino secundário.
Parabéns a todos os participantes e vencedores.
 
Poemas concorrentes.
 
Amor Universal


Branco ou preto não interessa,
O que interessa é o amor
Porque eu, sinceramente,
Nunca liguei à cor.

A minha pele é pele como a tua.
O teu sangue é vermelho, tal como o meu.
É sangue de luta, sofrimento.
É sangue alegre e sem ódio.

És negro e sofres de preconceito,
Mas de mim, meu amigo,
Sempre terás o meu respeito.

Tal como tu, queria que houvesse paz
Em todas as fronteiras,
E reinasse o amor
Entre todas as bandeiras!

João Maurício da Costa Vale, 10º A

 

Um Poema

Os poemas não são só palavras nem versos.
São sentimentos, pensamentos profundos,
Momentos recordados, abraços demorados,
Liberdade pura, mente aberta e segura.

Nos poemas não se usa só a cabeça,
Usa-se o coração,
solta-se para fora o que está dentro
E as letras dançam na folha,
até encontrarem o seu lugar.
Não é obra humana,
é obra da bondade ou da destruição.

Beatriz Porfíria da Silva Arrais, 8º A

Fotos