Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Exposição Marie Curie

Ao longo dos últimos 25 anos a escola de Barcelinhos tem vindo a desenvolver um trabalho de excelência no que concerne à Educação e à promoção da Ciência. Por conseguinte, a escola atende à necessidade de recordar as passagens mais importantes na evolução do conhecimento científico, que tentamos sempre transmitir aos nossos alunos. Um dos grandes marcos na história da ciência foi a atribuição do prémio Nobel a Marie Curie por descobertas no campo da radioatividade. Foi precisamente a investigação nesta área que levou em 1903 à atribuição do primeiro prémio Nobel a Marie Curie, sendo a primeira mulher a receber um prémio Nobel. Oito anos depois volta a surpreender a comunidade científica quando lhe é atribuído o prémio Nobel da química em reconhecimento pelos seus serviços no avanço da química, com o descobrimento dos elementos Polónio e Rádio, o isolamento do rádio e o estudo da natureza dos compostos deste elemento, há precisamente 100 anos, tornando-se a primeira pessoa a ser distinguida com dois prémios Nobel. O contributo dado por Marie Curie está, ainda hoje, presente no nosso dia-a-dia. Assim, a escola de Barcelinhos presta a sua homenagem a Marie Curie através de uma exposição comemorativa do centenário da atribuição do prémio Nobel que inclui um pouco da vida e obra desta cientista. Com esta exposição esperamos aumentar a vossa sensibilidade e motivação para a cultura científica.  
Saiba mais...
Marie Curie (nome de nascença Maria Sklodowska) nasceu na actual capital da Polónia (Varsóvia) em 7 de Novembro de 1867 sendo a mais nova de cinco irmãos, quando esta cidade ainda pertencia ao império russo (ex-URSS). Marie teve uma educação tradicional em pequenas escolas da região de Varsóvia, obtendo o nível básico de formação científica com o seu pai que era professor numa escola secundária.
Desde cedo, Marie Curie demonstrou grande gosto pela área das ciências, envolvendo-se numa organização estudantil que almejava transformar a ciência e, por isso, foi levada a fugir de Varsóvia para a Croácia que na época pertencia ao império da Áustria. Em 1881, com a ajuda da irmã, mudou-se para Paris onde concluiu os seus estudos no colégio Sorbonne obtendo a licenciatura em física e matemática em 1894.
 

Exposição Marie Curie

Ao longo dos últimos 25 anos a escola de Barcelinhos tem vindo a desenvolver um trabalho de excelência no que concerne à Educação e à promoção da Ciência. Por conseguinte, a escola atende à necessidade de recordar as passagens mais importantes na evolução do conhecimento científico, que tentamos sempre transmitir aos nossos alunos. Um dos grandes marcos na história da ciência foi a atribuição do prémio Nobel a Marie Curie por descobertas no campo da radioatividade. Foi precisamente a investigação nesta área que levou em 1903 à atribuição do primeiro prémio Nobel a Marie Curie, sendo a primeira mulher a receber um prémio Nobel. Oito anos depois volta a surpreender a comunidade científica quando lhe é atribuído o prémio Nobel da química em reconhecimento pelos seus serviços no avanço da química, com o descobrimento dos elementos Polónio e Rádio, o isolamento do rádio e o estudo da natureza dos compostos deste elemento, há precisamente 100 anos, tornando-se a primeira pessoa a ser distinguida com dois prémios Nobel. O contributo dado por Marie Curie está, ainda hoje, presente no nosso dia-a-dia. Assim, a escola de Barcelinhos presta a sua homenagem a Marie Curie através de uma exposição comemorativa do centenário da atribuição do prémio Nobel que inclui um pouco da vida e obra desta cientista. Com esta exposição esperamos aumentar a vossa sensibilidade e motivação para a cultura científica.  
Saiba mais...
Marie Curie (nome de nascença Maria Sklodowska) nasceu na actual capital da Polónia (Varsóvia) em 7 de Novembro de 1867 sendo a mais nova de cinco irmãos, quando esta cidade ainda pertencia ao império russo (ex-URSS). Marie teve uma educação tradicional em pequenas escolas da região de Varsóvia, obtendo o nível básico de formação científica com o seu pai que era professor numa escola secundária.
Desde cedo, Marie Curie demonstrou grande gosto pela área das ciências, envolvendo-se numa organização estudantil que almejava transformar a ciência e, por isso, foi levada a fugir de Varsóvia para a Croácia que na época pertencia ao império da Áustria. Em 1881, com a ajuda da irmã, mudou-se para Paris onde concluiu os seus estudos no colégio Sorbonne obtendo a licenciatura em física e matemática em 1894.
 

Exposição fotográfica: "Com (Vida) sem cor"

Da responsabilidade dos professores Artur Loureiro e João Sobrosa está patente, na BE,  uma exposição fotográfica, denominada "Com (Vida) sem cor". Esta exposição, integrada nas comemorações dos 25 anos da ESB, teve, segundo o professor João Sobrosa, o objectivo de : "dar vida e cor à escola". Os dois professores fotografaram a escola (direcção, recreio, contexto de sala de aula, biblioteca), de forma aleatória, e expuseram o trabalho, a preto e branco, em grandes painéis na BE.
 

Exposição fotográfica: "Com (Vida) sem cor"

Da responsabilidade dos professores Artur Loureiro e João Sobrosa está patente, na BE,  uma exposição fotográfica, denominada "Com (Vida) sem cor". Esta exposição, integrada nas comemorações dos 25 anos da ESB, teve, segundo o professor João Sobrosa, o objectivo de : "dar vida e cor à escola". Os dois professores fotografaram a escola (direcção, recreio, contexto de sala de aula, biblioteca), de forma aleatória, e expuseram o trabalho, a preto e branco, em grandes painéis na BE.
 

"Conto-te na BE" Jardim de Infância Bola de Sabão

No ano letivo 2010-2011, despedimo-nos do "Conto das Quintas" para darmos  início a uma nova rubrica "Conto-te na BE" que, ao longo dos próximos anos, nos dará muito prazer, com atividades diversificadas, acolhendo crianças, jovens e idosos, das várias instituições com que temos parcerias.
O primeiro momento foi com o Jardim de infância "Bola de Sabão" de Barcelos. Foram 38 meninos e meninas que, ao longo da tarde, assistiram ao conto narrado pela turma do 11º I do Curso Animador Sociocultural, sob a orientação da Professora Claudina Oliveira.

"Conto-te na BE" Jardim de Infância Bola de Sabão

No ano letivo 2010-2011, despedimo-nos do "Conto das Quintas" para darmos  início a uma nova rubrica "Conto-te na BE" que, ao longo dos próximos anos, nos dará muito prazer, com atividades diversificadas, acolhendo crianças, jovens e idosos, das várias instituições com que temos parcerias.
O primeiro momento foi com o Jardim de infância "Bola de Sabão" de Barcelos. Foram 38 meninos e meninas que, ao longo da tarde, assistiram ao conto narrado pela turma do 11º I do Curso Animador Sociocultural, sob a orientação da Professora Claudina Oliveira.

Diários de Escrita, por Cristina Machado Ribeiro

Pessoas significativas
Toda a nossa existência é marcada por convivências, acontecimentos e experiências, que nos marcam e nos ajudam a criar a nossa identidade e personalidade. Mesmo que não notemos, são muito importantes e ensinam-nos sempre coisas novas.
Todos conhecemos pessoas que admiramos, pessoas que nos influenciam, pessoas que consideramos “heróis”, pessoas que queremos ser como eles quando formos grandes. No meu caso, essa pessoa é a minha avó. Dizer que esta é a “melhor avó do mundo” seria um cliché, mas não seria mentira, visto que ela é um exemplo para toda a família e especialmente para mim que cresci junto dela.
Os avós têm sempre muito para nos ensinar, quando temos tanto para aprender. É um privilégio poder conviver com os nossos avós, não fossem eles os nossos segundos pais, com mais paciência e com tanto amor e carinho para dar. A minha avó é o exemplo disso, mesmo depois de ter perdido o amor da sua vida e ter ficado cega não se tornou uma pessoa triste, revoltada, muito menos amarga. Hoje, com mais de 80 anos e sem grande formação escolar, continua uma pessoa jovem que adora conversar com os netos, sendo a confidente de muitos de nós. Gosta de manter-se actualizada às notícias do mundo.
Quando eu era criança, passava grande parte do tempo com ela a ouvir as muitas histórias da sua infância e juventude. Quando aprendi a ler era eu que lhe lia histórias. Mesmo cega, brincava muito comigo e fazia de tudo para me entreter.
Hoje, não poderia escolher apenas um momento importante, nem nada por que tenha passado que me tenha marcado, porque toda a minha vida está marcada pela sua presença, pela sua influência, pelos seus ensinamentos, pelo seu contributo na minha educação e formação na pessoa que sou hoje. Ela é uma das pessoas mais presentes e importantes na minha vida, e só lhe tenho a agradecer por isso.

Diários de Escrita, por Cristina Machado Ribeiro

Pessoas significativas
Toda a nossa existência é marcada por convivências, acontecimentos e experiências, que nos marcam e nos ajudam a criar a nossa identidade e personalidade. Mesmo que não notemos, são muito importantes e ensinam-nos sempre coisas novas.
Todos conhecemos pessoas que admiramos, pessoas que nos influenciam, pessoas que consideramos “heróis”, pessoas que queremos ser como eles quando formos grandes. No meu caso, essa pessoa é a minha avó. Dizer que esta é a “melhor avó do mundo” seria um cliché, mas não seria mentira, visto que ela é um exemplo para toda a família e especialmente para mim que cresci junto dela.
Os avós têm sempre muito para nos ensinar, quando temos tanto para aprender. É um privilégio poder conviver com os nossos avós, não fossem eles os nossos segundos pais, com mais paciência e com tanto amor e carinho para dar. A minha avó é o exemplo disso, mesmo depois de ter perdido o amor da sua vida e ter ficado cega não se tornou uma pessoa triste, revoltada, muito menos amarga. Hoje, com mais de 80 anos e sem grande formação escolar, continua uma pessoa jovem que adora conversar com os netos, sendo a confidente de muitos de nós. Gosta de manter-se actualizada às notícias do mundo.
Quando eu era criança, passava grande parte do tempo com ela a ouvir as muitas histórias da sua infância e juventude. Quando aprendi a ler era eu que lhe lia histórias. Mesmo cega, brincava muito comigo e fazia de tudo para me entreter.
Hoje, não poderia escolher apenas um momento importante, nem nada por que tenha passado que me tenha marcado, porque toda a minha vida está marcada pela sua presença, pela sua influência, pelos seus ensinamentos, pelo seu contributo na minha educação e formação na pessoa que sou hoje. Ela é uma das pessoas mais presentes e importantes na minha vida, e só lhe tenho a agradecer por isso.