Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Palestra "Prevenção da Criminalidade Informática Contra Crianças e Jovens"

Na passada quarta-feira - 17 de Fevereiro, pelas 14.00h - decorreu, no auditório da nossa escola, uma Palestra destinada aos alunos do 3º ciclo e subordinada ao tema «Prevenção da criminalidade informática contra crianças e jovens».
A Biblioteca Escolar, PESES, PTE e Associação de Pais organizaram, à semelhança do que tem vindo a acontecer por outras escolas do país, uma palestra dinamizada por Inspectores da Polícia Judiciária - divisão de Braga em colaboração com a DREN, no âmbito do projecto "Internet Segura". Esta foi uma excelente oportunidade para, durante cerca de uma hora e trinta minutos, ficar a conhecer os riscos que corre quem quer que, hoje em dia, navegue na internet.
Evidentemente, todos percebemos que as chamadas “oportunidades” se sobrepõem aos riscos e quem esteve presente na sala – alunos, encarregados de educação e professores - entendeu que, se todos tomarmos as precauções certas e tivermos comportamentos socialmente aceitáveis, não haverá danos a reportar. A verdade é que há cada vez mais crimes a nível informático e estes vão desde o acesso ilegítimo, passando pela violação de correspondência e devassa da vida privada, até às vendas agressivas e dúbias, burlas e mesmo acesso a contas bancárias. De facto, não parece haver limite para os malefícios do uso indevido dos meios informáticos!
Os Inspectores, Carlos Amaral e Nuno Roque, indicaram os riscos a que todos os cidadãos estão sujeitos, após o que reportaram casos reais acontecidos nos distritos de Braga e Porto para melhor ilustrar os perigos de um uso indevido da internet. Terminaram com uma listagem de doze recomendações para que as nossas viagens na web não sejam dignas de memória pelos piores motivos…
Todos saímos, certamente, mais conscientes dos direitos e deveres de uma geração que se quer informada mas, sobretudo - porque a informação de nada serve se não “formar” o carácter contribuindo para um amadurecimento harmonioso -, sã, responsável e propiciadora de uma segurança que se quer ao alcance de todos: saber usar a nossa liberdade requer sabedoria, reconhecendo-se como comuns quer os direitos, quer os deveres!
Boa navegação na web, mas com segurança!

Palestra "Prevenção da Criminalidade Informática Contra Crianças e Jovens"

Na passada quarta-feira - 17 de Fevereiro, pelas 14.00h - decorreu, no auditório da nossa escola, uma Palestra destinada aos alunos do 3º ciclo e subordinada ao tema «Prevenção da criminalidade informática contra crianças e jovens».
A Biblioteca Escolar, PESES, PTE e Associação de Pais organizaram, à semelhança do que tem vindo a acontecer por outras escolas do país, uma palestra dinamizada por Inspectores da Polícia Judiciária - divisão de Braga em colaboração com a DREN, no âmbito do projecto "Internet Segura". Esta foi uma excelente oportunidade para, durante cerca de uma hora e trinta minutos, ficar a conhecer os riscos que corre quem quer que, hoje em dia, navegue na internet.
Evidentemente, todos percebemos que as chamadas “oportunidades” se sobrepõem aos riscos e quem esteve presente na sala – alunos, encarregados de educação e professores - entendeu que, se todos tomarmos as precauções certas e tivermos comportamentos socialmente aceitáveis, não haverá danos a reportar. A verdade é que há cada vez mais crimes a nível informático e estes vão desde o acesso ilegítimo, passando pela violação de correspondência e devassa da vida privada, até às vendas agressivas e dúbias, burlas e mesmo acesso a contas bancárias. De facto, não parece haver limite para os malefícios do uso indevido dos meios informáticos!
Os Inspectores, Carlos Amaral e Nuno Roque, indicaram os riscos a que todos os cidadãos estão sujeitos, após o que reportaram casos reais acontecidos nos distritos de Braga e Porto para melhor ilustrar os perigos de um uso indevido da internet. Terminaram com uma listagem de doze recomendações para que as nossas viagens na web não sejam dignas de memória pelos piores motivos…
Todos saímos, certamente, mais conscientes dos direitos e deveres de uma geração que se quer informada mas, sobretudo - porque a informação de nada serve se não “formar” o carácter contribuindo para um amadurecimento harmonioso -, sã, responsável e propiciadora de uma segurança que se quer ao alcance de todos: saber usar a nossa liberdade requer sabedoria, reconhecendo-se como comuns quer os direitos, quer os deveres!
Boa navegação na web, mas com segurança!

"Chá de Livros"

Em mais uma sessão do "Chá de Livros", a nossa biblioteca recebeu alunos e professores que, saboreando uma chávena de chá quente, ouviram textos poéticos produzidos pelas alunas Ana Cláudia Dias e Rosa Marques.

O cair das pétalas de cerejeira na maldição
Num jardim, uma árvore destaca-se no meio de todas as outras, por ter uma cor alegre. À beira da árvore bela, um pequeno rio cristalino passava calmo e sereno.
De baixo da cerejeira, uma menina tomava chá, uma criança feliz.
Dizia ela que era uma tarde de chá de felicidade, até que a primeira pétala caiu, a maldição fora lançada, a separação concretiza-se entre os pais da menina, algo se perdeu para além dos pais. Mas o que será? Acabara o tempo de felicidade.
No resto do tempo, a menina estava sozinha, em cima de um ramo da cerejeira em flor. A menina chorava e tomava o seu chá. Era um chá de rosas, o mais delicado dos chás e o mais triste.
No início da noite, a menina ainda estava no ramo, uma brisa fria e leve passa pelas pétalas de cerejeira, fazendo-as cair no rio cristalino.
Um menino passa à beira da árvore e, ao ver a menina a chorar, pergunta: “Por que choras aí no ramo da mais bela árvore da esperança?”.
Não obteve resposta. Foi embora. Mas no pensamento, a menina respondera: “A maldição e a tristeza fizeram-me chorar, o meu sonho morto foi o problema, morto por inocência, ninguém teve pena.”.
Que maldição mais cruel esta, que faz a menina chorar e beber o chá na mais bela cerejeira, depois de ter perdido o amor e a esperança em tudo e em todos. As lágrimas da menina são como as pétalas caídas no rio de cristal. (Ana Cláudia Alves Dias, 12º B)

A hora do chá
Cinco minutos mágicos
São aqueles que passo
A ouvir poesia
A saborear palavras
E a sorver letras!

Naquele cantinho
Saboreio um chá de letras quentinho
E com biscoitos de palavras acompanho.

Hum!
Mas que saborosas são as palavras!
E que lindo som têm as letras!

A hora do chá é assim mesmo!
Linda,
Saborosa,
Encantadora…
Uma boa companhia
Tanto para a noite
Como para o dia.

Rosa Marques, 10º C

"Chá de Livros"

Em mais uma sessão do "Chá de Livros", a nossa biblioteca recebeu alunos e professores que, saboreando uma chávena de chá quente, ouviram textos poéticos produzidos pelas alunas Ana Cláudia Dias e Rosa Marques.

O cair das pétalas de cerejeira na maldição
Num jardim, uma árvore destaca-se no meio de todas as outras, por ter uma cor alegre. À beira da árvore bela, um pequeno rio cristalino passava calmo e sereno.
De baixo da cerejeira, uma menina tomava chá, uma criança feliz.
Dizia ela que era uma tarde de chá de felicidade, até que a primeira pétala caiu, a maldição fora lançada, a separação concretiza-se entre os pais da menina, algo se perdeu para além dos pais. Mas o que será? Acabara o tempo de felicidade.
No resto do tempo, a menina estava sozinha, em cima de um ramo da cerejeira em flor. A menina chorava e tomava o seu chá. Era um chá de rosas, o mais delicado dos chás e o mais triste.
No início da noite, a menina ainda estava no ramo, uma brisa fria e leve passa pelas pétalas de cerejeira, fazendo-as cair no rio cristalino.
Um menino passa à beira da árvore e, ao ver a menina a chorar, pergunta: “Por que choras aí no ramo da mais bela árvore da esperança?”.
Não obteve resposta. Foi embora. Mas no pensamento, a menina respondera: “A maldição e a tristeza fizeram-me chorar, o meu sonho morto foi o problema, morto por inocência, ninguém teve pena.”.
Que maldição mais cruel esta, que faz a menina chorar e beber o chá na mais bela cerejeira, depois de ter perdido o amor e a esperança em tudo e em todos. As lágrimas da menina são como as pétalas caídas no rio de cristal. (Ana Cláudia Alves Dias, 12º B)

A hora do chá
Cinco minutos mágicos
São aqueles que passo
A ouvir poesia
A saborear palavras
E a sorver letras!

Naquele cantinho
Saboreio um chá de letras quentinho
E com biscoitos de palavras acompanho.

Hum!
Mas que saborosas são as palavras!
E que lindo som têm as letras!

A hora do chá é assim mesmo!
Linda,
Saborosa,
Encantadora…
Uma boa companhia
Tanto para a noite
Como para o dia.

Rosa Marques, 10º C