Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Beaf - Biblioteca Escolar António Ferraz

"Ler engrandece a alma!" [Voltaire]

Comemoração do Dia do Livro Infantil e Juvenil




“Encontro com …” Fernando Queirós, autor do livro E viu a terra inteira de repente





Dramatização do texto “Força Palhaço” pela turma de Animação Sociocultural do 11º H para um grupo de alunos da pré-primária.

"Ouvir uma história" por Vitória, Contadora de histórias.





Feira do Livro Infantil e Juvenil



Comemoração do Dia do Livro Infantil e Juvenil




“Encontro com …” Fernando Queirós, autor do livro E viu a terra inteira de repente





Dramatização do texto “Força Palhaço” pela turma de Animação Sociocultural do 11º H para um grupo de alunos da pré-primária.

"Ouvir uma história" por Vitória, Contadora de histórias.





Feira do Livro Infantil e Juvenil



Comemoração do Dia Internacional das Bibliotecas Escolares




"Encontro com..." Ana Salomé




Ana Salomé, assim assina Ana Catarina Rocha, nasceu em Lisboa, no ano de 1982. Durante vários anos dedicou-se à música. Estudou canto na Casa do Artista e, já em Braga, fez parte de uma banda de circuitos independentes, Cais de Veludo.
Terminada a licenciatura em Estudos Portugueses, pela Universidade do Minho, em 2005, começou aí a dar aulas de Português para Estrangeiros como Leitora. Frequentou uma Pós-Graduação em Ciências da Informação e da Documentação. Actualmente é mestranda de Literatura Portuguesa Contemporânea.
Anáfora é o seu primeiro trabalho trazido a lume, resultado de um processo de escrita que sempre a acompanhou desde muito nova.
Define-se como alguém que aprendeu a ler para poder escrever – um acto de paixão, mais do que de razão.
Conferência: Catarina de Brito: “Biblioteca: um espaço identitário”

Comemoração do Dia Internacional das Bibliotecas Escolares




"Encontro com..." Ana Salomé




Ana Salomé, assim assina Ana Catarina Rocha, nasceu em Lisboa, no ano de 1982. Durante vários anos dedicou-se à música. Estudou canto na Casa do Artista e, já em Braga, fez parte de uma banda de circuitos independentes, Cais de Veludo.
Terminada a licenciatura em Estudos Portugueses, pela Universidade do Minho, em 2005, começou aí a dar aulas de Português para Estrangeiros como Leitora. Frequentou uma Pós-Graduação em Ciências da Informação e da Documentação. Actualmente é mestranda de Literatura Portuguesa Contemporânea.
Anáfora é o seu primeiro trabalho trazido a lume, resultado de um processo de escrita que sempre a acompanhou desde muito nova.
Define-se como alguém que aprendeu a ler para poder escrever – um acto de paixão, mais do que de razão.
Conferência: Catarina de Brito: “Biblioteca: um espaço identitário”

DIA MUNDIAL DA TELEVISÃO - 21 de Novembro de 2007



“Encontro com…” ALBERTO SERRA


Chegou ao jornalismo já tarde, mas a paixão não mais o abandonou. Alberto Serra, 50 anos, confessa-se um contador de histórias. Histórias de gente anónima, sem descurar os consagrados. Histórias que já foram à antena na TSF, na SIC e na RTP. Tudo começou em pleno período revolucionário, em Barcelos, num jornal regional.
Foi, nas suas próprias palavras, um “andarilho”. Andarilho pelo País e pelos ofícios. Denominador comum a arte. Regressado de Moçambique em Julho de 75, uma semana após a independência, devido à morte trágica do pai, Alberto Serra foi para Barcelos, onde terminou o curso de mecânico, iniciado em África "sem quase saber mudar uma roda". Estava escrito que a vida não passaria pelas oficinas. Depressa trocou as ferramentas pelas leituras de Reich, Marx ou Vergílio Ferreira.
Foi em Barcelos que "a pica pela escrita começou". Com Rogério Gomes e Sérgio Andrade, fundou o Barcelos Popular, onde percebeu que o jornalismo "não vale nada, não dá muito dinheiro, mas a gente morre por uma história". "Ainda hoje é o que me salva", confessa. Pelo meio, intrometeu-se a poesia e outro ofício, o de animador cultural. Primeiro na Capoeira, em Barcelos, uma noite por semana, as palavras dominavam a noite e os recitais de poesia passaram a integrar a escassa agenda cultural da cidade. Depois, já em Santarém, "andava a vender calças de ganga quando alguém me desafiou a ir para o centro cultural". Uma experiência que duraria uma década.
Carregava pianos, fazia teatro e também o boletim Café com Letras. Daqui para o jornal O Ribatejo foi um passo. "Aprendi que não há jornais nacionais e regionais. Há bom e mau jornalismo.".
Regressa mais tarde ao Norte com a família. Ingressou na Antena Minho, mas por pouco tempo. Estávamos no final da década de 80 e a Nova dava os primeiros passos. Na rádio de Belmiro de Azevedo estavam João Paulo Meneses, José Alberto Carvalho, Carlos Rico, Juca Magalhães .... Alberto Serra junta-se ao grupo até ao dia em que Rangel o convida para uma das melhores experiências do percurso jornalístico, o turno da manhã na TSF, a partir do Porto, com Elisabete Caramelo.Corria a década de 90 e surgem as televisões privadas. Com experiência de colaborações com a RTP, Alberto Serra integra a redacção da SIC. E o bichinho da televisão não o larga, até hoje, onde, na redacção do Porto da RTP, tenta transportar a poesia para as notícias.
"Os factos apenas dão das pessoas o exterior, para lhes captar a alma é preciso a literatura e a poesia." Após um longo percurso pelas redacções, Alberto Serra reconhece que "apenas na RTP é possível fazer aquilo que faço". Histórias de gente anónima que de Trás-os-Montes ao Algarve representam a identidade de um país.
A faceta de jornalista anda a par com a de Poeta. Publicou, em 2006, o seu primeiro livro O Aparo do Demónio e é um dos grandes impulsionadores do Clube de Poesia da ACIB de Barcelos.


DIA MUNDIAL DA TELEVISÃO - 21 de Novembro de 2007



“Encontro com…” ALBERTO SERRA


Chegou ao jornalismo já tarde, mas a paixão não mais o abandonou. Alberto Serra, 50 anos, confessa-se um contador de histórias. Histórias de gente anónima, sem descurar os consagrados. Histórias que já foram à antena na TSF, na SIC e na RTP. Tudo começou em pleno período revolucionário, em Barcelos, num jornal regional.
Foi, nas suas próprias palavras, um “andarilho”. Andarilho pelo País e pelos ofícios. Denominador comum a arte. Regressado de Moçambique em Julho de 75, uma semana após a independência, devido à morte trágica do pai, Alberto Serra foi para Barcelos, onde terminou o curso de mecânico, iniciado em África "sem quase saber mudar uma roda". Estava escrito que a vida não passaria pelas oficinas. Depressa trocou as ferramentas pelas leituras de Reich, Marx ou Vergílio Ferreira.
Foi em Barcelos que "a pica pela escrita começou". Com Rogério Gomes e Sérgio Andrade, fundou o Barcelos Popular, onde percebeu que o jornalismo "não vale nada, não dá muito dinheiro, mas a gente morre por uma história". "Ainda hoje é o que me salva", confessa. Pelo meio, intrometeu-se a poesia e outro ofício, o de animador cultural. Primeiro na Capoeira, em Barcelos, uma noite por semana, as palavras dominavam a noite e os recitais de poesia passaram a integrar a escassa agenda cultural da cidade. Depois, já em Santarém, "andava a vender calças de ganga quando alguém me desafiou a ir para o centro cultural". Uma experiência que duraria uma década.
Carregava pianos, fazia teatro e também o boletim Café com Letras. Daqui para o jornal O Ribatejo foi um passo. "Aprendi que não há jornais nacionais e regionais. Há bom e mau jornalismo.".
Regressa mais tarde ao Norte com a família. Ingressou na Antena Minho, mas por pouco tempo. Estávamos no final da década de 80 e a Nova dava os primeiros passos. Na rádio de Belmiro de Azevedo estavam João Paulo Meneses, José Alberto Carvalho, Carlos Rico, Juca Magalhães .... Alberto Serra junta-se ao grupo até ao dia em que Rangel o convida para uma das melhores experiências do percurso jornalístico, o turno da manhã na TSF, a partir do Porto, com Elisabete Caramelo.Corria a década de 90 e surgem as televisões privadas. Com experiência de colaborações com a RTP, Alberto Serra integra a redacção da SIC. E o bichinho da televisão não o larga, até hoje, onde, na redacção do Porto da RTP, tenta transportar a poesia para as notícias.
"Os factos apenas dão das pessoas o exterior, para lhes captar a alma é preciso a literatura e a poesia." Após um longo percurso pelas redacções, Alberto Serra reconhece que "apenas na RTP é possível fazer aquilo que faço". Histórias de gente anónima que de Trás-os-Montes ao Algarve representam a identidade de um país.
A faceta de jornalista anda a par com a de Poeta. Publicou, em 2006, o seu primeiro livro O Aparo do Demónio e é um dos grandes impulsionadores do Clube de Poesia da ACIB de Barcelos.


Semana Da Literatura e Cinema/ 2007


12 a 15 de Junho de 2007

Como Actividade de Final de período e com os objectivos de promover a leitura, divulgar autores e obras da literatura que motivaram a realização de filmes e estabelecer relações entre discurso linguístico e discurso cinematográfico, realizou-se a Semana da Literatura e Cinema, com sessões de exibição de filmes no auditório da Escola, antecedidas de apresentação (a cargo da Professora Aida S. Lemos) dos livros que deram origem aos filmes apresentados.

Local: Anfiteatro da Escola.
Calendarização: Das 10h.05m às 12h.35m e das 15h.05m às 17h.35m, de terça a sexta-feira.
Responsáveis: Florinda Bogas e Aida Sampaio Lemos.
Actividade: Sessões de exibição de filmes em écran panorâmico, antecedidas de apresentação (a cargo da Professora Aida Lemos) dos livros que deram origem aos filmes apresentados e seguidas de breve espaço de discussão/comentários sobre os filmes/livros apresentados.
Objectivos:
1. Promover a leitura.
2. Divulgar autores e obras da literatura que motivaram a realização de filmes.
3. Estabelecer relações entre discurso linguístico e discurso cinematográfico.
Livros / Filmes a apresentar:
Anna e o Rei (livro escrito por Margaret Landon em 1944).
Diário da nossa Paixão (a partir do romance de Nicolas Sparks).
Chocolate (a partir do livro de Joanne Harris).
Harry Potter e a Pedra Filosofal (a partir do livro de J. K. Rowling).
O homem da máscara de ferro (inspirado na obra de Alexandre Dumas).
O Senhor dos Anéis (a partir da trilogia de J.R.R. Tolkien).
Shrek (inspirado num livro infantil de William Steig).
O Nome da Rosa (a partir do livro de Umberto Eco).

Semana Da Literatura e Cinema/ 2007


12 a 15 de Junho de 2007

Como Actividade de Final de período e com os objectivos de promover a leitura, divulgar autores e obras da literatura que motivaram a realização de filmes e estabelecer relações entre discurso linguístico e discurso cinematográfico, realizou-se a Semana da Literatura e Cinema, com sessões de exibição de filmes no auditório da Escola, antecedidas de apresentação (a cargo da Professora Aida S. Lemos) dos livros que deram origem aos filmes apresentados.

Local: Anfiteatro da Escola.
Calendarização: Das 10h.05m às 12h.35m e das 15h.05m às 17h.35m, de terça a sexta-feira.
Responsáveis: Florinda Bogas e Aida Sampaio Lemos.
Actividade: Sessões de exibição de filmes em écran panorâmico, antecedidas de apresentação (a cargo da Professora Aida Lemos) dos livros que deram origem aos filmes apresentados e seguidas de breve espaço de discussão/comentários sobre os filmes/livros apresentados.
Objectivos:
1. Promover a leitura.
2. Divulgar autores e obras da literatura que motivaram a realização de filmes.
3. Estabelecer relações entre discurso linguístico e discurso cinematográfico.
Livros / Filmes a apresentar:
Anna e o Rei (livro escrito por Margaret Landon em 1944).
Diário da nossa Paixão (a partir do romance de Nicolas Sparks).
Chocolate (a partir do livro de Joanne Harris).
Harry Potter e a Pedra Filosofal (a partir do livro de J. K. Rowling).
O homem da máscara de ferro (inspirado na obra de Alexandre Dumas).
O Senhor dos Anéis (a partir da trilogia de J.R.R. Tolkien).
Shrek (inspirado num livro infantil de William Steig).
O Nome da Rosa (a partir do livro de Umberto Eco).

Concurso Nacional de Leitura - PNL/ 2007



Participaram no Concurso Nacional de Leitura 28 alunos do ensino secundário e 15 do 3º ciclo; as obras seleccionadas foram Artur e a Palavra Mágica de Paula Tito (para o 3º ciclo) e As Aventuras de João Sem Medo de José Gomes Ferreira (para o secundário). Os alunos seleccionados foram: Ana Isabel Loureiro Lopes, nº 3, 10º F; Cidália Maria Pereira Soares, nº 5, 10ºC; Ana Cláudia Santos
Durães, nº 2, 10º F; Bruno Miguel da Silva Faria, nº 4, 7º A; Cátia Marina Silva Martins, nº 5, 9º C; Nilza Patrícia Faria Ferreira, nº 19, 7º A. As obras seleccionadas e os testes de selecção dos alunos foram realizados pela professora Aida S. Lemos.
Os alunos receberam como prémio, oferta da Escola, livros e participaram na 2ª fase – Distritais – na Biblioteca Municipal de Barcelos.

Concurso Nacional de Leitura - PNL/ 2007



Participaram no Concurso Nacional de Leitura 28 alunos do ensino secundário e 15 do 3º ciclo; as obras seleccionadas foram Artur e a Palavra Mágica de Paula Tito (para o 3º ciclo) e As Aventuras de João Sem Medo de José Gomes Ferreira (para o secundário). Os alunos seleccionados foram: Ana Isabel Loureiro Lopes, nº 3, 10º F; Cidália Maria Pereira Soares, nº 5, 10ºC; Ana Cláudia Santos
Durães, nº 2, 10º F; Bruno Miguel da Silva Faria, nº 4, 7º A; Cátia Marina Silva Martins, nº 5, 9º C; Nilza Patrícia Faria Ferreira, nº 19, 7º A. As obras seleccionadas e os testes de selecção dos alunos foram realizados pela professora Aida S. Lemos.
Os alunos receberam como prémio, oferta da Escola, livros e participaram na 2ª fase – Distritais – na Biblioteca Municipal de Barcelos.

Actividades já realizadas: Comemoração do 3º aniversário da Biblioteca.




No dia 27 de Abril de 2007, comemorou-se o terceiro aniversário da BE/CRE. Neste âmbito, foram organizadas as seguintes actividades:
Conferência de Comemoração, com a presença na mesa do Presidente do Conselho Executivo, do Director da Biblioteca Municipal de Barcelos, do escritor José Pedro Lima-Reis, da Coordenadora da Biblioteca e da professora Aida S.Lemos.
Intervenção do escritor sobre a sua obra e percurso.
Leitura de excertos das obras do escritor presente, feitas por alunos do 10ºH.
Espaço de perguntas/debate: aos alunos participantes (das turmas 10ºH, 10ºF e 11ºG) tinham sido distribuídos uma semana antes alguns contos das obras de José Pedro Lima-Reis, o que se revelou bastante proveitoso para o espaço de perguntas/debate, porquanto os alunos tiveram uma intervenção activa e pertinente sobre a obra do escritor.
Sessão de autógrafos com o escritor presente.
Lançamento do Concurso na Escola de criação de marcadores de leitura alusivos ao aniversário da Biblioteca (actividade que terá conclusão no próximo ano lectivo).

Actividades já realizadas: Comemoração do 3º aniversário da Biblioteca.




No dia 27 de Abril de 2007, comemorou-se o terceiro aniversário da BE/CRE. Neste âmbito, foram organizadas as seguintes actividades:
Conferência de Comemoração, com a presença na mesa do Presidente do Conselho Executivo, do Director da Biblioteca Municipal de Barcelos, do escritor José Pedro Lima-Reis, da Coordenadora da Biblioteca e da professora Aida S.Lemos.
Intervenção do escritor sobre a sua obra e percurso.
Leitura de excertos das obras do escritor presente, feitas por alunos do 10ºH.
Espaço de perguntas/debate: aos alunos participantes (das turmas 10ºH, 10ºF e 11ºG) tinham sido distribuídos uma semana antes alguns contos das obras de José Pedro Lima-Reis, o que se revelou bastante proveitoso para o espaço de perguntas/debate, porquanto os alunos tiveram uma intervenção activa e pertinente sobre a obra do escritor.
Sessão de autógrafos com o escritor presente.
Lançamento do Concurso na Escola de criação de marcadores de leitura alusivos ao aniversário da Biblioteca (actividade que terá conclusão no próximo ano lectivo).

Actividades já realizadas: Comemoração do Dia Internacional do Livro.




Para comemorar o dia Internacional do Livro, foram realizadas algumas actividades ao longo do dia 23 de Abril de 2007:

Mesa-redonda sobre a temática “Do livro ao leitor”, com a presença de Paula Tito, autora do livro Artur e a Palavra Mágica e a professora Aida S. Lemos;
“Tesouro escondido, caça ao Livro” (foram escondidos vários livros (apenas fotocópia da capa) pela Escola, os quais foram oferecidos aos alunos que os encontraram).

Actividades já realizadas: Comemoração do Dia Internacional do Livro.




Para comemorar o dia Internacional do Livro, foram realizadas algumas actividades ao longo do dia 23 de Abril de 2007:

Mesa-redonda sobre a temática “Do livro ao leitor”, com a presença de Paula Tito, autora do livro Artur e a Palavra Mágica e a professora Aida S. Lemos;
“Tesouro escondido, caça ao Livro” (foram escondidos vários livros (apenas fotocópia da capa) pela Escola, os quais foram oferecidos aos alunos que os encontraram).

Actividades já realizadas: Comemoração do Dia Poesia


“A Poesia está na Escola” – Para comemorar o Dia da Poesia foram realizadas várias actividades ao longo do dia 21 de Março de 2007:

“Chá de Poesia”;
Sessão de Declamação de Poesia (duas sessões, uma de manhã e outra de tarde - 10ºH e professora Aida S. Lemos);
Feira da Poesia, com a participação da Livraria Centésima Página (Braga);
Poesia Volante – entrega de poemas à comunidade escolar;
Exposição sobre Poetas de língua portuguesa (10ºF e 10ºE e professora Aida S. Lemos);
Colocação de poemas nas árvores da Escola.
Elaboração de um cartaz, intitulado “A Poesia Está Na Escola”, pelos alunos do professor Gaspar como meio divulgador das actividades do dia da Poesia.

Actividades já realizadas: Comemoração do Dia Poesia


“A Poesia está na Escola” – Para comemorar o Dia da Poesia foram realizadas várias actividades ao longo do dia 21 de Março de 2007:

“Chá de Poesia”;
Sessão de Declamação de Poesia (duas sessões, uma de manhã e outra de tarde - 10ºH e professora Aida S. Lemos);
Feira da Poesia, com a participação da Livraria Centésima Página (Braga);
Poesia Volante – entrega de poemas à comunidade escolar;
Exposição sobre Poetas de língua portuguesa (10ºF e 10ºE e professora Aida S. Lemos);
Colocação de poemas nas árvores da Escola.
Elaboração de um cartaz, intitulado “A Poesia Está Na Escola”, pelos alunos do professor Gaspar como meio divulgador das actividades do dia da Poesia.